Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Aeropostale pede falência e vai fechar mais de 150 lojas

eSTADOS uNIDOS

Aeropostale pede falência e vai fechar mais de 150 lojas

Rede varejista acumula uma dívida de mais de US$ 390 milhões

  • Bloomberg
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A rede de lojas de roupas para adolescentes americana Aeropostale pediu falência após uma disputa com fornecedores e o fechamento de centenas de lojas com o objetivo de reduzir seu prejuízo.

Mais recente em uma onda de falências de grandes varejistas, o pedido foi feito nesta quarta-feira (4) na corte especializada de Nova York. A Aeropostale segue o destino de marcas como American Apparel, Quiksilver e Sports Authority.

A companhia anunciou ainda que fechará em breve 113 lojas nos Estados Unidos e outras 41 no Canadá. A empresa tem US$ 390 milhões em débitos e cerca de US$ 354 milhões em ativos dentro do processo de falência.

Varejistas com grandes operações em shoppings como a Aeropostale estão tendo dificuldades para se adaptarem à competição online a às mudanças no gosto dos adolescentes. A empresa, que tem sede em Nova York, também tem lidado com competidores do ramo “fast fashion”, que reagem mais rapidamente às alterações na moda.

Desde 2013 a Aeropostale fechou 215 lojas, segundo relatório da Bloomberg Intelligence publicado em abril. A empresa ainda tem mais de 700 unidades nos Estados Unidos, sendo que em 60% delas os contratos de aluguel estão chegando ao fim. Isso pode significar que um grande número de lojas será fechado.

A Aeropostale pretende sair do processo de falência nos próximos seis meses como uma companhia única e com uma base menor de lojas. Ela também deve continuar procurando um potencial comprador para suas operações, disse a empresa em um comunicado.

O pedido de falência vem depois de três anos seguidos de prejuízos e uma disputa com seu maior credor, a Sycamore Partners, que também possui uma fornecedora de roupas, a MGF Sourcing. Em março, a Aeropostale afirmou que a MGF estava atrasando a entrega de produtos e violando termos de seu contrato. Em 15 de abril, a varejista divulgou que atrasaria a divulgação de seus resultados por causa da disputa.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE