i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Inflação

Alimentos no varejo devem voltar a subir, diz FGV

  • PorAgência Estado
  • 22/08/2011 10:33

Produtos agropecuários e alimentos mais caros no atacado e no varejo levaram ao término da deflação na segunda prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), que passou de -0,21% para 0,33% de julho para agosto. Segundo o coordenador de Análises Econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros, há uma sinalização nítida de que os aumentos de preços das matérias-primas brutas agropecuárias, as commodities, estão mais "relativamente espalhados" no atacado. Isso leva a um repasse destas elevações para o setor de alimentação no varejo.

De acordo com Quadros, as matérias-primas agropecuárias saíram de um recuo de 1,51% para um avanço de 1,61% de julho para agosto. Um dos destaques foi o comportamento da soja, produto agrícola de maior peso no cálculo da inflação atacadista e que saiu de uma queda de 2,44% para uma alta de 1,74% no período.

A mudança de trajetória nos preços das matérias-primas brutas agropecuárias puxou para cima os preços dos alimentos processados no atacado, que estavam com desvalorização (de -1 05% para 3,07%).

Quadros lembrou que os alimentos industrializados têm participação importante na formação de preços industriais. "Foi isso que levou ao fim à deflação de produtos industriais no atacado (de -0,07% para 0,14%)", afirmou.

No varejo, o cenário foi suficiente para que os preços dos alimentos caíssem menos (de -0,85% para -0,13%). Isso permitiu o término da deflação percebida pelo consumidor (de -0,11% para 0 08%) de julho para agosto. "Os preços dos alimentos devem parar de cair no varejo, e voltar a subir. Este comportamento vai continuar a pressionar o indicador de varejo em setembro", alertou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.