Elevação dos juros passou impressão de que governo pode mudar de atitude sobre a política fiscal, vista como condescendente | Marcos Santos / USP Imagens
Elevação dos juros passou impressão de que governo pode mudar de atitude sobre a política fiscal, vista como condescendente| Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Impacto

Fatia maior do crédito direcionado limita alcance do "aperto"

No início de 2008, 67% do crédito no país era concedido na modalidade de recursos livres, que os bancos podem aplicar como quiserem. É esse tipo de empréstimo que sofre influência da Selic – quanto mais alta a taxa básica, mais caros os financiamentos.

Depois do estouro da crise, os bancos públicos ganharam importância, compensando a forte retração das instituições privadas após o colapso do Lehman Brothers. Boa parte do crédito deles é "direcionado", ou seja, tem aplicação definida – e, no geral, é subsidiado pelo governo. É o caso dos empréstimos do Minha Casa, Minha Vida, do crédito rural e dos financiamentos do BNDES às empresas.

Hoje o direcionado já responde por 47% do crédito total. Assim, o aumento da taxa Selic não tem impacto algum sobre quase metade dos empréstimos, dificultando o trabalho do Banco Central no combate à inflação.

Bancos felizes

Aumento na taxa básica de juros é notícia boa para os bancos. Tanto é que as ações de Itaú, Bradesco e Banco do Brasil lideraram os ganhos de ontem na Bovespa, com altas entre 7% e 8% no encerramento dos negócios.

Renda fixa

A alta da Selic reforçou a rentabilidade da renda fixa. Segundo a Anefac, os fundos de investimento são mais vantajosos que a poupança na maioria das simulações. Os fundos vencem quando têm taxas de administração até 1,5%. A poupança, por sua vez, é melhor quando a taxa é de 2,5% ou mais.

A leve alta da taxa básica de juros – de 11% para 11,25% ao ano – terá pouco efeito sobre a inflação, pelo menos no curto prazo, mas mexeu com as expectativas do mercado financeiro. A notícia foi bem recebida pelos investidores: o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo subiu 2,52% e o dólar comercial recuou 2,45%, para R$ 2,408, ontem.

INFOGRÁFICO: Veja o aumento da taxa básica de juros

Com o avanço dos bancos públicos e seu crédito subsidiado, um pequeno aumento da Selic tem influência muito discreta sobre o crédito e o consumo e, portanto, sobre a inflação. Mas o fato de o Banco Central ter tomado tal decisão apenas três dias após a reeleição de Dilma Rousseff, antecipando um movimento que era esperado apenas para o início de 2015, deu a entender que o governo admite que a inflação não está assim tão controlada, ao contrário do que insistia a presidente durante a campanha eleitoral.

Para boa parte dos analistas, a medida também passou a impressão de que o Planalto pode mudar de atitude em relação à política fiscal, hoje vista como condescendente. "Reconhecer que o problema existe é o primeiro passo para começar a tratá-lo", resume Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

Em suma, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC conseguiu fazer muito com uma atitude simples. Teoricamente ruim para a economia, o aumento dos juros acabou repercutindo como um primeiro passo na reconquista da confiança dos investidores, considerada fundamental para a retomada do crescimento. "Foi, de fato, um bom momento para sinalizar os rumos que se pretende dar à política econômica", avaliou a consultoria Rosenberg.

Para a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, o Banco Central provavelmente quis surpreender os mercados "justamente para não ter que elevar muito a Selic". "A preocupação com o déficit de credibilidade do governo parece bastante relevante, diante da menor boa vontade das agências de classificação de risco e investidores. Esse receio se traduz em esforços para sinalizar uma política econômica cautelosa. O primeiro sinal concreto veio do Copom", escreveu Zeina em artigo enviado a clientes da corretora.

Márcio Cardoso, sócio-diretor da corretora Easynvest, acredita que, se Aécio Neves tivesse vencido a eleição, o mercado não precisaria ver uma alta dos juros para saber que a política econômica iria mudar. "Então o governo reeleito fez isso logo para indicar que pretende fazer algumas alterações. Mas é preciso esperar para saber até onde vai essa disposição", diz.

Mais sinais

A repercussão positiva terá vida curta se não vierem novos sinais na mesma direção. "Foi importante, mas não suficiente. É preciso mais", diz Oliveira, da Anefac. "Precisamos saber quem será o presidente do BC, o novo ministro da Fazenda, se terão alguma independência e, especialmente, qual será o grau de interlocução entre os dois. Porque não adianta, como vimos meses atrás, o Banco Central tomar medidas numa direção e a Fazenda, em outra."

Avaliação

Analistas esperam ciclo curto de elevação da taxa básica

Bancos e consultorias veem a elevação de 0,25 ponto porcentual como a primeira de um novo ciclo de aperto monetário. Que, no entanto, deve ser curto. "Não deve ser um ciclo muito grande, conforme deixa entrever a fala [da nota do Copom] sobre antecipar o ajuste para que ele seja menos custoso", afirmou comunicado da consultoria Rosenberg.

Na avaliação do Itaú, a Selic deve voltar a subir 0,25 ponto em dezembro, encerrando 2014 em 11,5% ao ano. "Para 2015, o cenário dependerá da evolução da taxa de câmbio e da inflação nos próximos meses, além da definição da equipe econômica do próximo governo", escreveram economistas do banco, em nota.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]