i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
sobrecontratação

Aneel vai permitir devolução de energia pelas distribuidoras

    • Folhapress Web
    • 07/03/2016 19:13
    A sobrecontratação de energia há anos é pleiteada pelo mercado livre | Sinara Freitas/Divulgação/Copel
    A sobrecontratação de energia há anos é pleiteada pelo mercado livre| Foto: Sinara Freitas/Divulgação/Copel

    A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) vai atender o pedido das distribuidoras de energia para devolver parte da eletricidade que está sobrando e gerando prejuízo para as companhias.

    Nesta terça-feira (8), a agência abrirá uma audiência pública para colher contribuições sobre a melhor forma de permitir essa devolução de energia. No entanto, a Aneel já possui um entendimento de como isso poderá ser possível.

    Empresas do setor elétrico fazem “feirão” de usinas e linhas

    Leia a matéria completa

    Segundo Romeu Rufino, diretor-geral da agência, a melhor maneira de se resolver esse problema é permitir que as distribuidoras negociem diretamente com as geradoras, de quem compraram a energia, a suspensão de parte fornecimento ou sua postergação, nos casos de contratos de suprimento que ainda não foram iniciados.

    Conforme a Folha de S.Paulo revelou, as empresas estão com um excedente maior do que é remunerado pelas tarifas de energia. Essa sobra precisa ser vendida no mercado de curto prazo, no entanto, esse segmento está pagando menos de R$ 100 por megawatt-hora em média no país, valor abaixo do que as distribuidoras têm que pagar às geradoras.

    De acordo com a Abradee (associação das distribuidoras), há cerca de 3.000 megawatts de energia sobrando na mão das empresas -elas têm contratada essa energia, porém, não há para quem entregar devido à queda do consumo. Esse volume representa cerca de 5% do que é consumido no país.

    Usina de Baixo Iguaçu volta a gerar empregos

    Leia a matéria completa

    Entre os contratos que as distribuidoras possuem, há alguns mais caros e outros mais baratos. A Aneel vai permitir a negociação, mas quer evitar que os mais baratos sejam impactados, obrigando as empresas a negociarem apenas os mais caros, reduzindo o custo do consumidor.

    “O que queremos é que essa mudança nos contratos não eleve o custo geral da energia que é entregue aos consumidores”, afirma Rufino.

    Mercado livre

    A sobrecontratação de energia há anos é namorada pelo mercado livre. As comercializadoras de energia -intermediários que compram a eletricidade de geradores e a vende diretamente para grandes empresas- querem poder receber esse volume que está sobrando para poder entregá-lo a seus clientes.

    No entanto, esse assunto ficou esquecido devido à situação oposta que as distribuidoras vinham vivenciando devido às mudanças que o governo promoveu no setor por meio da medida provisória 579, de 2012 -aquela que baixou o preço da conta de luz em 2013.

    Porém, a Aneel afirma que essa operação é proibida. A partir da nova alternativa que será criada, ou as distribuidoras negociam com as geradoras, ou vendem a sobra de energia no mercado de curto prazo.

    “Vamos dar um grau de liberdade para as empresas gerirem essa sobrecontratação. Mas o risco de mercado é da distribuidora. Qualquer mudança mais profunda, como a venda da sobra de energia no mercado livre, precisaria de uma mudança na legislação”, diz Rufino.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.