i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
EUA

Apesar de desemprego, Fed por elevar juros

Afirmação foi feita nesta terça-feira pelo presidente do Fed de Richmond, Jeffrey Lacker

  • PorAgência Estado
  • 01/05/2012 13:12

O Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, pode precisar elevar as taxas de juros apesar da alta histórica do desemprego, afirmou nesta terça-feira (1º) o presidente do Fed de Richmond, Jeffrey Lacker, durante evento da Bloomberg na capital do país.

A taxa de desemprego "pode ficar acima de 7%. Acho que precisamos nos preparar para isso", disse Richmond. "Eu acredito que é uma ideia errada pensar que temos de reduzir o desemprego para 5(%) ou algum número assim...antes de elevarmos as taxas".

Lacker foi o único dos dez membros votantes do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed a se opor na semana passada à decisão do grupo de reiterar planos de manter as taxas de curto prazo próximas a zero até o fim de 2014. O BC, afirma ele, provavelmente terá de elevar as taxas de juros em meado do ano que vem para manter a inflação sob controle.

O presidente do Fed de Richmond foi voz destoante nas três reuniões realizadas pelo Fomc este ano. Segundo Lacker, o BC precisa iniciar o aperto da política monetária quando as taxas de crescimento começarem a subir.

"Quando as taxas de crescimento sobem, a taxa real de juros precisa subir e, se ficarmos para trás, vamos criar muito dinheiro e isso vai gerar pressões inflacionárias", argumentou.

Lacker disse ainda esperar que o mercado de trabalho se recupere gradualmente à medida que a taxa de expansão dos EUA acelerar para 3% no fim do ano. O produto interno bruto (PIB) do país cresceu a um ritmo de apenas 2,2% no primeiro trimestre, depois de avançar 3% nos últimos três meses de 2011.

Na semana passada, o Fed reduziu ligeiramente suas projeções de desemprego ao mesmo tempo em que elevou as estimativas de inflação. O BC americano prevê que a taxa de desemprego cairá para 8% ou um pouco menos no final do ano e que a inflação ficará muito próxima de sua meta de 2%, mas não abaixo disso, como se acreditava anteriormente.

O desemprego nos EUA caiu de 9,1% em agosto do ano passado para 8,2% em março, mas alguns membros do Fomc temem que esse ritmo de declínio possa não ter continuidade.

"Se o desemprego não mostrar mais sinais de progresso, será algo a se considerar na hora de pesar as opções de política", afirmou o presidente do Fed, Ben Bernanke, durante coletiva trimestral na semana passada. As informações são da Dow Jones.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.