i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PESQUISA

Após 11 anos de crescimento, comércio encolheu 4,3% em 2015

No mês do Natal, vendas caíram mais de 7%, segundo o IBGE. O resultado, no entanto, ficou ligeiramente acima das expectativas

    • RIO DE JANEIRO
    • Agência O Globo
    • 16/02/2016 09:12
    Nem o movimento de Natal impediu a queda das vendas em dezembro. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
    Nem o movimento de Natal impediu a queda das vendas em dezembro.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

    As vendas do comércio fecharam 2015 com uma queda de 4,3%, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) divulgados nesta terça-feira pelo IBGE. O resultado anual foi o pior da série iniciada em 2001 e o primeiro negativo desde 2003, quando o volume de vendas encolheu 3,7%. No acumulado em 12 meses, a taxa foi a pior desde novembro de 2003 (-4,6%).

    INFOGRÁFICO: Veja o desempenho do setor varejista nos últimos anos.

    Na passagem de novembro para dezembro, a variação ficou negativa em 2,7%. Frente a dezembro de 2014, o resultado do volume de vendas foi 7,1% menor, no nono mês seguido de resultado negativo nesse tipo de comparação.

    95 mil lojas fecharam as portas em 2015 por causa da crise

    Dado da CNC é o pior desempenho do setor nos últimos 15 anos

    Leia a matéria completa

    O desempenho do varejo, no entanto, foi um pouco melhor do que as expectativas. O Bradesco, por exemplo, previa que o varejo encolhesse 3% frente a novembro. Na comparação com dezembro de 2014, a projeção do banco era de queda de 7,5%.

    O desempenho do varejo ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e de material de construção, foi melhor do que a do varejo restrito na comparação com novembro, recuando 0,9% em volume. No entanto, na comparação com dezembro de 2014, houve queda de 11%. No ano, o recuo foi de 8,6%.

    Inflação e desemprego

    O desempenho das vendas do comércio tem sido afetado pela inflação, pela piora no mercado de trabalho – com aumento do desemprego e do temor de perder o emprego – e pela redução na renda. Os juros altos também encarecem o crédito, prejudicando principalmente a venda de bens duráveis, como veículos e eletrodomésticos.

    Em novembro, graças à Black Friday, as vendas do varejo subiram 1,6% frente a outubro – o dado foi atualizado hoje, já que na primeira divulgação a alta era de 1,5% –, mas encolheram 7,8% na comparação com o mesmo mês de 2014. Mas o Natal não deu a mesma trégua na comparação com o mês anterior.

    Atividades

    Na passagem de novembro para dezembro, seis das oito atividades pesquisadas pelo IBGE apresentaram recuo. O setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1%), que tem o maior peso no varejo, recuou pelo segundo mês nesse tipo de comparação.

    Após dois meses de variações positivas, em que acumulou expansão de 2,1%, a área de tecidos, vestuário e calçados zerou os ganhos, já que perdeu exatamente 2,1%. Outros destaques ficaram com móveis e eletrodomésticos (-8,7%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-3,6%); livros, jornais, revistas e papelarias (-1,4%); e equipamentos de escritório, informática e comunicação (-9,1%).

    O desempenho positivo ficou com os setores que vendem bens considerados essenciais, como artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,4%) e combustíveis e lubrificantes (0,5%).

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.