Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Fila para entrada em agência da Caixa, em Brasília: auxílio emergencial foi a principal medida que ajudou o PIB em 2020.
Fila para entrada em agência da Caixa, em Brasília: auxílio emergencial foi a principal medida que ajudou o PIB em 2020.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O governo conseguiu evitar uma queda ainda mais forte da economia em 2020. No começo da pandemia de Covid-19, quando ainda não se sabia a extensão da crise causada pelo vírus, a previsão de diversas instituições era que o Produto Interno Bruto (PIB) poderia cair até dois dígitos. Seria o pior desempenho econômico do país em 120 anos. O atual recorde negativo pertence ao ano de 1990, o primeiro do governo de Fernando Collor, quando a economia encolheu 4,35% sob o impacto do confisco da poupança.

Agora, passado o auge da pandemia, boa parte do mercado financeiro espera que a queda fique entre 4% e 5%. Essa é a mesma expectativa do governo, que trabalha com uma projeção de retração de 4,5%. Se confirmado o valor, será um novo recorde negativo na série histórica, mas ainda assim bem menor pior do que o projetado por analistas no começo do ano.

A principal explicação para a recuperação da economia está no auxílio emergencial. Criado em abril, o benefício está sendo pago a 68 milhões de pessoas. São cinco parcelas de R$ 600 e até quatro de R$ 300. O benefício já injetou R$ 293,48 bilhões na economia, de um total de R$ 322 bilhões previstos.

Os pagamentos devem se estender até fevereiro, já que nem todas as pessoas começaram a receber a primeira parcela em abril. A consultoria MB Associados calcula que, sem o auxílio emergencial, a economia brasileira cairia 7,1% em 2020.

“As pessoas podem pensar que o valor do auxílio emergencial é pouco para movimentar a economia. Mas, considerando que você tem duas pessoas na mesma casa recebendo o auxílio, dando R$ 1,2 mil por mês, é muito mais que a renda de boa parte dos brasileiros antes desse benefício”, explica Rodrigo Franchini, sócio da Monte Bravo Investimentos. Mães chefes de família também recebem duas cotas do auxílio.

Franchini acrescenta que uma prova do tamanho do impacto do auxílio na economia é aumento da inflação e da poupança no terceiro trimestre. “A renda dos brasileiros ficou maior na pandemia do que antes da pandemia e esse excesso de renda causado pelo auxílio gerou mais consumo e mais poupança”, completa.

Outros fatores: crédito, juro baixo e reabertura da economia

O economista e presidente do Conselho Regional de Economia do Paraná (Corecon-PR), Carlos Magno Bittencourt, cita outros fatores que também ajudaram o PIB em 2020, mesmo que com menor impacto. É o caso dos dos programas de crédito a empresas. “Eu diria que a segunda principal salvaguarda [do PIB] foi o Pronampe. Esse dinheiro ajudou para que as empresas não precisassem fechar suas portar e nem demitir funcionários”, explica.

Criado em maio, o programa já liberou mais de R$ 28 bilhões para capital de giro de micro e pequenas empresas. Havia a expectativa que mais R$ 10 bilhões fossem liberados, mas a terceira fase do programa ainda aguarda aval da Câmara dos Deputados. O governo estuda uma forma de tornar o programa permanente.

Além dos programas de crédito, o governo afirma que a postergação do pagamento de impostos e o Programa de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm) foram outras duas medidas que ajudaram as empresas a enfrentar a crise. O BEm permitiu a redução de jornada e salário e suspensão de contratos durante a pandemia.

"As medidas do governo federal reduziram substancialmente os custos fixos, postergando ou mesmo reduzindo tributos durante esse período, e flexibilizando contratos de trabalho, possibilitando a redução de jornada ou suspensão de contratos durante o período de isolamento social ao mesmo tempo em que socorreram os trabalhadores afetados", diz o Ministério da Economia em nota técnica.

"Além disso, foram reduzidos os efeitos da crise sobre o endividamento, através de ações que subsidiaram e baratearam o crédito e limitaram a deterioração do colateral. Tais medidas salvaram diversas empresas da falência, reduzindo o impacto sobre a atividade e o emprego no curto e longo prazo", completa a pasta.

Ainda na área de crédito, a menor taxa de juros da economia em toda a história é outro fator marginal que ajudou no PIB de 2020, segundo Bittencourt. “A redução da Selic para 2% fez com que o crédito estivesse mais barato, o que é fundamental em momento de crise. Os bancos também reduziram as restrições para acesso ao crédito”, afirma o economista, lembrando que na última recessão econômica (2014-2016) a taxa de juros jogava contra, pois chegou a dois dígitos.

O retorno das atividades econômicas, após semanas de restrições no auge da pandemia, também foi essencial para garantir uma queda não tão brusca do PIB. “O retorno das atividades econômicas, em especial do varejo e do setor de serviços, contribuiu, porque são eles que geram consumo mais rápido a um custo baixo. São também os setores que mais contratam”, explica Franchini.

Bittencourt destaca, ainda, que nesta crise a estrutura produtiva, de uma maneira geral, foi mantida. “O que ficou paralisado foi o trabalho. Os parques industriais não foram destruídos. Tanto que agora na retomada a gente tá vendo a falta de insumos. A indústria automotiva tem veículos para entregar, mas não consegue porque não tem aço, porque a paralisação das atividades gerou acúmulos de processos.”

O governo comemora o desempenho da economia, afirmando que começou no terceiro trimestre de 2020 o que os economistas chamam de retomada em "V", marcada por forte crescimento após queda abrupta. A economia cresceu 7,7% no terceiro trimestre de 2020, encerrando a recessão técnica registrada nos dois primeiros trimestres do ano.

"Embora o período de isolamento social no país seja um dos mais prolongados no mundo, o Brasil foi um dos países com políticas econômicas mais focadas dentre os emergentes e, como resultado, a atividade tem mostrado sinais de recuperação mesmo durante o isolamento", diz o Ministério da Economia.

E para 2021?

Para 2021, os economistas olham com cautela. O presidente da Corecon-PR diz que o grande termômetro da retomada no ano que vem será a vacina contra a Covid-19. O sócio da Monte Bravo Investimentos afirma que, mais importante do que a velocidade da retomada, será manter na direção certa a política econômica.

Para o governo, três fatores vão garantir um PIB de 3,2% em 2021: emprego, crédito e consolidação fiscal. Novos estímulos governamentais com impacto no Orçamento estão descartados, segundo o Ministério da Economia, pois eles "não são capazes de ampliar a capacidade produtiva da economia e não seriam eficazes de forma permanente, apesar dos importantes efeitos imediatos que elas geram".

16 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]