i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Protesto

Atendimento da Receita em Curitiba cai pela metade

Servidores reclamam contra fim de carreira específica, diminuem número de consultas diárias e ainda demoram 10 dias para responder às solicitações dos contribuintes, o que antes era feito imediatamente

  • PorIsadora Rupp e Adriano Kotsan, da Gazeta do Povo Online
  • 03/09/2008 21:56
Operação-padrão tem causado tumulto em frente à sede da Receita Federal. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Operação-padrão tem causado tumulto em frente à sede da Receita Federal.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Metalúrgicos decidem se greve continua

Sem negociações avançadas, os cerca de 8 mil metalúrgicos das montadoras Renault e Volkswagen, em São José dos Pinhais, continuam com as atividades paradas e devem decidir por greve ou acatar a proposta do Sindicato Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Sinfavea) na manhã de hoje. Os metalúrgicos não aceitaram a oferta de 0,5% de aumento real e correção da inflação acumulada em 12 meses, e querem reajuste total de 13%. Os trabalhadores da Volvo não aderiram à paralisação de 48 horas. Na última terça-feira, a Vara do Trabalho acatou um pedido de interdito proibitório feito pelo Sinfavea em nome das montadoras, que exige a desobstrução das fábricas para livre trânsito dos trabalhadores.

O atendimento no setor de arrecadação previdenciária da Receita Federal em Curitiba caiu pela metade desde a terça-feira. Os atendimentos diários, normalmente em 400, agora não passam de 200. O problema é causado pela operação-padrão dos servidores, que protestam contra o fim da carreira específica da categoria após a criação da "Super Receita", em maio de 2007, que unificou a administração da Receita Federal e Previdência Social.

De acordo com o delegado da RF em Curitiba, Vergílio Concetta, os servidores estão se valendo de um dispositivo legal para diminuir o atendimento. Quando um contribuinte solicita algo para a Receita Federal, existe um prazo legal de 10 dias para receber a resposta. "Eles (servidores) estão exigindo que a lei seja cumprida. Esse prazo de 10 dias é normal, mas no dia-a-dia não usamos, pois não é preciso que o contribuinte venha duas vezes para resolver a situação. Entregamos a resposta na hora", afirmou Concetta. Agora, só casos urgentes são resolvidos com rapidez.

Reclamação

A Medida Provisória que trouxe o chamado "Plano Especial de Cargos do Ministério da Fazenda", para regulamentação dos novos cargos (nº 441), previa a redistribuição das funções dentro da Receita Federal até o final do ano passado. Porém, os funcionários da antiga previdência ainda não estão recolocados em cargos específicos. "Estamos há um ano sem carreira, sem patrão e sem atribuições para executar o nosso serviço", afirma a secretária da Asalaf/Unaslaf (Associação e União Nacional dos Servidores Administrativos da Secretaria da Receita Previdenciária), Viviane Maria Bianchi.

Além disso, a categoria sofreu perdas salariais. De acordo com Viviane, um técnico em seguro social exerce praticamente as mesmas funções do que um analista-tributário da Receita Federal, que recebe hoje R$ 9.456,00. O salário-base da categoria é R$ 1.213,31 mais as gratificações que, somadas, alcançam um salário médio de R$ 2,5 mil. Em julho, o valor de um ponto de gratificação era R$ 17,53 e deve passar para R$ 12,24 a partir de março do ano que vem, ocasionando diminuição dos ganhos.

A assessoria de imprensa da Receita Federal em Brasília não confirma o movimento, e informa que os atendimentos seguem normalmente no país. Em Curitiba, o delegado Vergílio Concetta pede que os servidores voltem ao trabalho. "Esperamos que os servidores reflitam e retornem às atividades normais. Essas questões de salários, não temos competência para resolver aqui na delegacia. Isso é decidido somente em Brasília."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.