i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Aviação

Audiência no TST tenta evitar nova greve dos aeronautas

Sindicato dos funcionários das companhias aéreas afirma que levará em conta propostas econômicas e sociais na reunião marcada para quarta-feira (17)

    • Estadão Conteúdo Web
    • 16/02/2016 14:49
    Protesto no dia 3 de fevereiro paralisou por duas horas os principais aeroportos do país. | Antônio More
/Gazeta do Povo
    Protesto no dia 3 de fevereiro paralisou por duas horas os principais aeroportos do país.| Foto: Antônio More /Gazeta do Povo

    O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) levará em conta os aspectos econômicos e sociais que eventualmente sejam propostos à categoria na quarta-feira (17), durante a audiência convocada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) para conciliação entre o sindicato e as empresas aéreas, de acordo com o presidente da entidade, Adriano Castanho.

    Os trabalhadores do setor reivindicam reajuste salarial de 11% retroativo à data-base de primeiro de dezembro de 2015. A última proposta das empresas aéreas oferecia reajustes parcelados (3% em fevereiro de 2016, 2% em junho e 6% em novembro), sem serem retroativos.

    Azul oferece licença não remunerada aos tripulantes

    Leia a matéria completa

    Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta terça-feira (16), Castanho afirmou que, do ponto de vista econômico, a categoria até poderia aceitar a proposta de reajustes parcelados, desde que exista algum tipo de compensação para a questão retroativa. “O ministro Ives Gandra tem feito uma mediação nos bastidores há duas semanas. É possível que seja desenhado um compensador para o retroativo, uma espécie de abono para compensar parte da perda com o parcelamento”, disse o executivo.

    No entanto, o presidente do SNA também ressaltou que itens sociais também serão reivindicados na audiência. Segundo Castanho, dois pontos são especialmente importantes para a categoria: a manutenção dos empregos até a data-base e a proteção dos postos de trabalho no País em caso de fusões ou aquisições envolvendo empresas aéreas brasileiras e estrangeiras.

    “Nosso objetivo é garantir que, em caso de fusão ou incorporação, que as companhias internacionais sejam obrigadas a fazer um acordo coletivo de trabalho com a categoria, de modo a garantir o nível de emprego nas empresas brasileiras”, disse Castanho. “Não queremos a redução da malha. Tudo bem virar uma empresa só, mas a empresa brasileira tem que seguir existindo. Caso a companhia estrangeira queira colocar um voo passando pelo Brasil, ela pode, desde que não tire um voo da empresa nacional e o substitua por um estrangeiro”.

    Crise nas aéreas força governo a estudar pacote de estímulo ao setor

    Leia a matéria completa

    Participação estrangeira

    A legislação atual do Brasil limita em 20% a participação de investidores internacionais nas empresas do setor aéreo, mas a Secretaria de Aviação Civil (SAC) voltou a discutir a abertura irrestrita com os Ministérios da Fazenda e do Planejamento. A ideia seria permitir que grupos internacionais possam aumentar sua participação nas empresas nacionais ainda este ano.

    De acordo com Castanho, o modelo de abertura ainda está sendo discutido e não foi definido. O SNA, no entanto, defende uma abertura de até 49% para as companhias que possuem voos internacionais, enquanto as empresas que operam apenas no mercado doméstico poderiam ser integralmente adquiridas por grupos internacionais. “Por exemplo, até 49% da Gol poderia ser comprada pelo capital estrangeiro. Já a Passaredo poderia ser 100% vendida, desde que o estrangeiro invista na companhia e gere empregos para o Brasil”.

    A audiência de conciliação terá início às 10 horas da quarta-feira, sem previsão de término. Segundo o presidente do SNA, caso não se chegue a um acordo durante a reunião com o TST, o sindicato realizará uma assembleia na quinta-feira (18), para decidir quais os próximos passos do movimento grevista.

    Castanho ainda ressaltou que, caso não se chegue a um acordo e se decida por uma nova paralisação, esta nova greve deve ocorrer na próxima semana. No entanto, o executivo afirmou que o movimento grevista não necessariamente será realizado aos mesmos moldes do verificado em 3 de fevereiro, quando os pilotos e comissários de voo realizaram uma paralisação entre 6 horas e 8 horas da manhã nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos, Santos Dumont, Galeão, Campinas, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.