Auditores fiscais da Superintendência Regional do Trabalho do Rio de Janeiro encontraram no domingo, 27, último dia de Rock in Rio, 17 trabalhadores em situação análoga à escravidão. Por meio de um comunicado à imprensa, o Ministério do Trabalho (MTE) informou que os fiscais relataram que a empresa Batata no Cone arregimentou pessoas em São Paulo e no Rio para trabalharem de ambulantes no evento.

A promessa era de “bons ganhos e mediante pagamento de taxa de até R$ 400”, mais R$ 2 por produto vendido, segundo o MTE. Os acordo não previam a incidência de encargos trabalhistas e remuneração complementar.

De acordo com os auditores, havia no evento trabalhadores endividados por não terem vendido todas as mercadorias. Eles foram ainda submetidos a cargas horárias de trabalho excessivas, alojamentos com más condições de higiene e sem receber alimentação.

Outros casos

Este, porém, não foi o único caso de irregularidade encontrado no evento. Fiscais da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Rio de Janeiro constataram que ambulantes do Bob´s carregavam mercadorias “sem meios adequados”.

Prestadores de serviço de limpeza da empresa Sunset estavam sem registro em Carteira de Trabalho. Segundo o Ministério, eles não receberam vale-transporte e não tinham instalações adequadas para trocar de roupa no Festival.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]