i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Guerra do rum

Bacardi exige que EUA revoguem licença da marca Havana Club a Cuba

Fabricantes de bebidas com sede em Bermudas trava uma longa batalha com a ilha de Fidel pelo direito de usar o nome do rum

    • Miami, EUA
    • AFP
    • 16/02/2016 21:10
     | Matthias Rhomberg
    | Foto: Matthias Rhomberg

    A empresa Bacardi exigiu dos Estados Unidos que revogue uma licença outorgada recentemente ao governo cubano que lhe permitirá, uma vez seja levantado o embargo, vender o rum Havana Club, objeto de uma prolongada batalha judicial.

    A Bacardi, empresa de origem cubana com sede em Bermudas e que defende ser a única dona do Havana Club, assegurou em um comunicado nesta terça-feira (16) que solicitou oficialmente ao escritório do Tesouro americano sobre Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC, na sigla em inglês) que reverta a licença que garantiu a Havana os direitos nos Estados Unidos sobre a disputada marca.

    ‘Novos ricos’ surgem em Cuba oito anos após abertura da economia a negócios privados

    Uma classe mais endinheirada já se destaca entre elegantes diplomatas e homens de negócios que frequentam restaurantes dos bairros “chiques” da capital cubana

    Leia a matéria completa

    A licença concedida pelo OFAC permitiu ao governo cubano garantir em janeiro diante do órgão americano de Patentes e Marcas (USPTO) os direitos sobre o Havana Club, o que abriu a porta para que o país venda o rum, assim que o embargo americano for levantado.

    Mas a Bacardi afirma que a licença outorgada pelo OFAC contradiz decisões anteriores do próprio órgão. O OFAC “reverteu sua decisão de 2006 de negar esta mesma licença e contradiz sua própria defesa desta decisão em várias cortes americanas”, declarou Eduardo Sánchez, vice-presidente da Bacardi.

    Além disso, segundo a Bacardi, a concessão da licença vai contra a prática tradicional do governo dos Estados Unidos de não reconhecer empresas ou marcas confiscadas.

    Disputa comercial

    A interminável batalha legal pelo direito de usar o nome do rum remonta o momento em que a Bacardi, que produzia em Cuba o rum Bacardi e o Havana Club, decidiu abandonar este país depois da chegada de Fidel Castro ao poder em 1959.

    A Bacardi assegura que comprou os direitos da bebida da família Arechabala, que produzia o rum até sua destilaria ser confiscada pelo governo cubano.

    Depois de décadas de batalha judicial, Cuba conseguiu obter os direitos da marca em janeiro, um ano depois que Washington e Havana iniciaram um histórico degelo, que os levou a retomar as relações diplomáticas em meados de 2015.

    O degelo entre Washington e Havana não significa que os “Estados Unidos devam desconhecer as leis e ignorar o mandato do Congresso (...) para proteger os direitos dos donos de propriedades confiscadas”, reiterou a Bacardi.

    Cuba distribui milhões de caixas de Havana Club em mais de 100 países ao ano, mediante uma empresa mista que formou em 1993 com Pernod Ricard, o fabricante francês de bebidas alcoólicas.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.