Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

A balança comercial brasileira registrou déficit (importações maiores do que as exportações) de US$ 265 milhões na última semana, entre os dias 11 e 17 de outubro, informou nesta segunda-feira (18) o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

O último saldo negativo da balança havia sido registrado na quinta semana de setembro, quando o déficit comercial somou US$ 117 milhões. Em agosto, todas semanas vieram positivas. Mas saldos negativos semanais foram registrados em todos meses anteriores deste ano.

A balança comercial tem registrado comportamento errático neste ano, com déficits comerciais em várias semanas, por conta do crescimento das importações. Esse fator tem sido favorecido pelo dólar baixo, que barateia as compras feitas lá fora, e pelo crescimento da economia brasileira - que resulta em mais compras do exterior, por parte das empresas, de máquinas e equipamentos no exterior e matérias-primas. Além disso, também tem subido as importações de bens de consumo.

Acumulado do mês e do ano

Apesar do déficit da semana passada, a balança comercial ainda registra saldo positivo no acumulado de outubro, até o dia 17. Neste período, o superávit somou US$ 1,41 bilhão, com exportações em US$ 9,19 bilhões e importações totalizando US$ 7,77 bilhões. Em outubro de 2009, o saldo positivo foi de US$ 1,31 bilhão.

Em todo este ano, até 17 de outubro, o superávit da balança comercial somou US$ 14,18 bilhões, o que representa uma queda de 36,9% frente ao patamar registrado em igual período de 2009 (US$ 22,43 bilhões).

Números do Ministério do Desenvolvimento mostram que as compras do exterior avançam, em 2010, a um ritmo bem mais forte do que as exportações brasileiras. De janeiro a 17 de outubro, as importações somaram US$ 139,93 bilhões, ou US$ 706 milhões por dia útil. Já as vendas ao exterior totalizaram US$ 154,12 bilhões no acumulado deste ano, o equivalente a US$ 778 milhões por dia útil. Em 2010, as importações subiram 44,2%, e as exportações avançaram 28,9%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]