i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tecnologia

Bolha da Bitcoin já preocupa autoridades

Moeda virtual ganhou destaque após sua valorização meteórica no ano passado e agora deve passar por regulação nos Estados Unidos

  • PorMarcelo Furtado
  • 01/02/2014 21:02
Bitcoin só existe no mundo virtual, mas tem gente disposta a pagar mais de US$ 1 mil por ela | Divulgação
Bitcoin só existe no mundo virtual, mas tem gente disposta a pagar mais de US$ 1 mil por ela| Foto: Divulgação

A rápida ascensão do Bitcoin, moeda virtual criada pelo japonês Satoshi Nakamoto em 2009 que chegou a valer US$ 1.147 em dezembro do ano passado, foi comemorada por entusiastas da tecnologia. Utilizada como dinheiro para realizar transações on-line, a divisa pode ser usada em todo mundo e não é controlada por nenhum banco central – o que é motivo para alerta entre economistas e autoridades.

INFOGRÁFICO: Entenda como funciona o processo de "mineração" das moedas virtuais

O governo alemão foi o primeiro a reconhecer a divisa como um "meio de troca privado", no ano passado, enquanto a China proibiu seu uso. Nos Estados Unidos, o Departamento de Justiça reconheceu legalmente a moeda e o Departamento de Serviços Financeiros de Nova York (NYDFS) estuda uma maneira de regulamentar o Bitcoin no estado. Na última semana foram realizadas audiências públicas com especialistas, economistas e investidores para discutir a implantação da "BitLicença", que daria autorização para as empresas operarem com a divisa.

O Banco Central brasileiro disse que já "analisou o emprego de Bitcoins e, por ora, considera que ele não é de relevância para o sistema financeiro brasileiro". Para Rodrigo Batista, CEO do Mercado Bitcoin, primeira empresa a realizar o câmbio da moeda no Brasil, a nota divulgada pelo Banco Central é uma prova de que, pelo menos, o governo está de olho na criptomoeda. "Eu acredito que, conforme ela for crescendo, vai ser regulada", aposta Batista.

Volatilidade

Se por um lado a ausência de taxas para transações internacionais e a segurança oferecida pela criptografia são destacados pelos usuários como vantagens do Bitcon, por outro o uso da divisa preocupa especialistas, que preveem a formação de uma bolha devido à alta volatilidade do câmbio. "A possibilidade [de bolha] é enorme porque o Bitcoin não tem o menor lastro, ninguém garante os preços. E isso pode explodir", explica o professor de finanças pessoas da Fundação Getulio Vargas (FGV) Samy Dana.

Por funcionar de maneira descentralizada, através de códigos criptografados em servidores espalhados pelo mundo, o Bitcoin não é controlado por uma entidade específica. O que faz com que a variação de preço da moeda se torne uma armadilha, principalmente para quem aposta na especulação. "O perigo é cair muito o valor e você comprar uma moeda que não consegue vender depois, nem comprar um produto com ela", afirma Dana.

A cotação atualmente está na casa dos US$ 800, mas já chegou a variar mais de 50% em dezembro, quando, dias depois de bater o recorde histórico de US$ 1.147, caiu para US$ 522. No começo do ano passado, valia em torno de US$ 15.

Para o professor da faculdade de Economia da FAAP Luiz Henrique Costa, é muito difícil que o Bitcoin sobrepuje outras formas de pagamento na internet, como o cartão de crédito, conforme apostam alguns usuários da criptomoeda. Para o economista, a divisa tem dias contados. "Tenho a impressão que ela deve desaparecer em um futuro próximo e dar prejuízo para quem guardou para fazer riqueza", afirma.

Rodrigo Batista, apesar de ser entusiasta, reconhece a necessidade de se ter cautela antes de optar pelo Bitcoin como um investimento. "Se a pessoa decidir apostar, é melhor usar uma quantia que, se acontecer algo, como a variação de preço muito grande para baixo, ela não se sinta prejudicada", diz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.