i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mercado financeiro

Bolsa sobe pela 7.ª semana e tem alta de 14,3% no mês

Investidores seguiram melhora no cenário externo, com as bolsas norte-americanas e europeias registrando ganhos de mais de 2,5% no dia

  • PorFolhapress
  • 24/04/2009 21:04
Ford dos EUA teve prejuízo de US$ 1,4 bilhão, o que foi considerado “bom” | Larry WSmith/AFP
Ford dos EUA teve prejuízo de US$ 1,4 bilhão, o que foi considerado “bom”| Foto: Larry WSmith/AFP

Mundo terá 1 bilhão de pobres em 2009

Se nas economias avançadas as pessoas estão perdendo empregos e casas, nos países pobres mais de 1 bilhão vão passar fome por conta da crise global. Isso supera a soma da população do Brasil, dos Estados Unidos e da União Europeia e representa um salto de 40 milhões em relação a 2008. Outros 100 milhões de pessoas permanecerão extremamente pobres, mesmo com a atual retração nos preços dos alimentos. E mais 400 mil crianças de até cinco anos vão morrer de desnutrição no ano. De acordo com o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), a crise econômica dos países ricos provocou um retrocesso na tendência de redução da pobreza mundial que já durava anos. Na América Latina, o número de pessoas vivendo com menos de US$ 1,25 ao dia (cerca de R$ 3) deve aumentar para 40,3 milhões (7% do total) neste ano, contra 37,6 milhões em 2008.

São Paulo - Em sua sétima semana consecutiva de alta, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) atingiu seu mais elevado patamar desde outubro de 2008. Após valorização de 2,12%, a bolsa encerrou o dia aos 46.771 pontos. Os ganhos acumulados em abril já chegam a 14,28%, o que representa o melhor resultado mensal desde janeiro de 2006. No mercado de câmbio, o dólar terminou o último dia de negócios da semana cotado a R$ 2,192. Com baixa de 1,22%, a moeda passou a acumular desvalorização de 5,44% no mês.

O cenário externo favorável de ontem – as bolsas subiram nos Estados Unidos e na Europa – permitiu que a maioria das ações do índice Ibovespa terminasse em alta. Das 65 ações que formam o índice, 54 subiram. No ano, o Ibovespa passou a computar ganhos de 24,56%.

O resultado das bolsas na Europa foi ainda mais forte, com os bancos voltando a atrair os investidores. A Bolsa de Londres subiu 3,43%, e a de Frankfurt teve elevação de 3%. No mercado norte-americano, a Nasdaq se apreciou em 2,55% e passou a ter alta de 10,84% no mês. O índice Dow Jones subiu 1,50%.

Os investidores receberam bem os resultados da Ford, com a ação da empresa registrando valorização de 11,36%. A montadora registrou perda de US$ 1,43 bilhão no primeiro trimestre, acima do previsto, mas o balanço da companhia foi considerado positivo porque houve maior controle sobre o caixa no período.

O diretor-financeiro da Ford, Lewis Booth, disse que a empresa está "muito segura de que conseguirá atravessar o ano". Ele afirmou ainda que a Ford não precisará recorrer a empréstimos do governo dos EUA.

Enquanto isso, a General Motors recebeu ontem mais US$ 2 bilhões do Tesouro norte-americano – o montante recebido do governo chega agora a US$ 15,4 bilhões –, enquanto a companhia busca implementar seu plano de reestruturação sem entrar em concordata. No começo da semana, o governo dos EUA anunciou que colocaria US$ 5 bilhões à disposição da GM e mais US$ 500 milhões à Chrysler.

A GM tem até o dia 1º de junho para apresentar um plano de reestruturação ao governo. Já a Chrysler tem um prazo mais curto – até o próximo dia 30 – para selar uma aliança com a Fiat. A montadora precisa ainda chegar a um entendimento com credores e trabalhadores que permita a redução de dívidas e custos trabalhistas. A Chrysler vem operando com empréstimos de emergência de US$ 4 bilhões do governo, e depende da conclusão desses acordos para poder receber mais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.