i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
negócio

Bradesco aguarda aprovação do Cade nos próximos meses para a aquisição do HSBC

Somente após aprovação do Cade é que o banco poderá seguir com o fechamento do negócio

    • Estadão Conteúdo
    • 28/01/2016 19:58
    Banco britânico foi comprado por R$ 17,6 bilhões ano passado | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
    Banco britânico foi comprado por R$ 17,6 bilhões ano passado| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

    O Bradesco espera que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) dê seu aval para a aquisição da compra do HSBC nos próximos meses, de acordo com Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do banco.

    “Nossa expectativa é que nos próximos meses a autorização saia, completando a visão e a análise do Banco Central, que já autorizou a aquisição. Estamos aguardando as observações do Cade”, disse o executivo, em teleconferência com a imprensa, na manhã desta quinta-feira (28).

    Somente após a aprovação do Cade, segundo Luiz Carlos Angelotti, diretor gerente e de relações com investidores do Bradesco, é que o banco poderá seguir com o fechamento do negócio e assumir a gestão do HSBC no Brasil. “O Cade está na fase de análise, provavelmente, concluindo sua análise. Até lá, não podemos tomar nenhuma decisão”, afirmou Angelotti.

    De acordo com ele, o Bradesco tem “total conforto” em termos de Basileia para seguir com a aquisição do HSBC. Angelotti lembrou que o banco teve “melhora estrutural” no seu índice durante o quarto trimestre. O Índice de Basileia é um conceito internacional que recomenda uma relação mínima de 8% entre o capital base da instituição e os riscos ponderados. No Brasil, exige-se um índice mínimo de 11%.

    Lucro do Santander cresce 13,2% em 2015

    Resultado acumulado no terceiro trimestre teve alta de 5,9%

    Leia a matéria completa

    Da Basileia total do HSBC, de 16,8% no quarto trimestre, 12,7% corresponderam ao capital principal ou de Nível I, de melhor qualidade. O indicador melhorou 1,3 pontos porcentuais em relação ao terceiro trimestre. O capital de nível II representou os outros 4,1%, acima dos 3,0%, na mesma base de comparação.

    No caso do capital de nível 2, a melhora foi possível, conforme Angelotti, graças à uma emissão que o Bradesco fez no quatro trimestre de 2015, de R$ 5,8 bilhões em letras financeiras subordinadas.

    Ele não detalhou, contudo, os investidores que teriam adquirido esses papéis. Citou, apenas, que foram clientes do banco e fundos e negou que a emissão de R$ 5 bilhões em debêntures da NCF Participações, controlada por acionistas do Bradesco, tenha sido direcionada para a compra dos títulos.

    Balanço

    O Bradesco registou em 2015 um lucro líquido de R$ 17,180 bilhões, um crescimento de 13,9% em relação ao registrado no ano passado. Esse crescimento foi possível devido aos maiores ganhos proporcionado pela intermediação financeira, ou seja, pelo efeito dos juros mais elevados, uma vez que a carteira de crédito avançou apenas 4,2% no período.

    Para BC, cenário externo e recessão justificam manutenção de juros

    Ata do Copom mostra preocupação com mercado de trabalho e China

    Leia a matéria completa

    Ao considerar o desempenho apenas no quarto trimestre, o lucro do banco foi de R$ 4,353 bilhões, um crescimento de 9% em relação ao último trimestre de 2014. Já o lucro líquido ajustado anual, que desconsidera itens não-recorrentes, como utilização de créditos tributários ou incremento das reservas para lidar com os inadimplentes, foi de R$ 17,873 bilhões, uma alta de 16,4%.

    O Bradesco foi o segundo banco a divulgar o balanço do ano passado. Na quarta-feira, o Santander anunciou que lucrou R$ 6,6 bilhões em 2015.

    Em meio a crise, que resultado em uma posição menos agressiva do sistema financeiro e uma menor demanda por operações de crédito, a carteira total de empréstimos do Bradesco cresceu apenas 4,2%, totalizando R$ 474,027 bilhões. O valor já inclui as operações com risco de crédito para o banco, como debêntures e avais e fianças.

    A carteira destinada a pessoas físicas avançou 4,5%, chegando a R$ 147,749 e a destinada a empresa cresceu 4%, totalizando R$ 326,278 bilhões – tendo um crescimento mais expressivo no segmento de grandes empresas e recuo para as pequenas e médias empresas. Para 2016, o banco prevê um incremento entre 1% e 5%.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.