i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Medidas anticíclicas

Brasil gastou 5,6% do PIB para conter os efeitos da crise

Despesas com desonerações, investimentos públicos e pacotes de estímulo ficaram acima da média global. Mas países ricos gastaram muito mais no resgate de bancos

  • PorAgência Estado
  • 07/09/2009 21:01
Henrique Meirelles, ao centro, no encontro das autoridades financeiras e monetárias do G-20. De acordo com a ONU, a economia brasileira vai encolher 0,8% em 2009 | Geoff Caddick/AFP
Henrique Meirelles, ao centro, no encontro das autoridades financeiras e monetárias do G-20. De acordo com a ONU, a economia brasileira vai encolher 0,8% em 2009| Foto: Geoff Caddick/AFP

Bancos questionam novas regras anunciadas por BCs

O estabelecimento de novos padrões de controle sobre os bancos abre uma nova batalha entre europeus, americanos e países emergentes. Para o presidente do Banco Central Europeu, Jean Claude Trichet, as novas regras e todo o trabalho do G-20 teriam como meta evitar a geração de bolhas no mercado financeiro no futuro. Ele indica que as novas regras devem ser a maior herança do esforço de reforma do sistema financeiro internacional. Mas a definição de quais serão as instituições sistêmicas que serão obrigadas a ter maior capitalização abre uma nova polêmica.

Leia a matéria completa

ONU defende moeda global no lugar do dólar

A ONU defendeu a criação de uma nova moeda global para proteger os mercados emergentes do "jogo de confiança" da especulação financeira, em mais um dos golpes recentes contra o papel do dólar como divisa de reserva internacional.

Leia a matéria completa

Basileia - O Brasil gastou o equivalente a 5,6% de seu Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todos os bens e serviços produzidos no país) em incentivos fiscais para tirar a economia da recessão. Nesta semana, os novos dados do PIB indicarão o fim da recessão. Ainda assim, em termos porcentuais, o Brasil gastou mais que Estados Unidos, França, Reino Unido ou Japão em pacotes de incentivos para o setor produtivo.

De acordo com a ONU, o Brasil sofrerá uma contração de sua economia de 0,8% em 2009, contra uma queda de 2,5% no mundo. Esses dados fazem parte de um relatório divulgado pela Con­­ferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimen­­to que fez um levantamento de tudo aquilo que foi gasto ou prometido por governos como ações anticrise. O documento ainda aponta que os sinais positivos registrados no mercado internacional não significam que a crise tenha sido superada no mundo. Segundo a entidade, os gastos brasileiros também estão acima da média dos países emergentes, que deixaram 4,7% de seus PIBs em medidas de resgate das economias. Nos países ricos, essas despesas chegaram a 3,7% do PIB, o que em valores absolutos significa muito mais do que o gasto dos países menos desenvolvidos.

G-20

No último fim de semana, o G-20 (grupo das maiores economias do mundo) deixou claro que não está na hora de retirar os pacotes de ajuda econômica. Para o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, o Brasil também não deve atuar de forma prematura e retirar os incentivos. "A recomendação (do G-20) também vale para nós", disse Meirelles.

No total, a estimativa é de que em média cada uma das principais economias do mundo gastou 4% de seu PIB nessa crise. Nesse cálculo, a ONU inclui desoneração de impostos, investimentos públicos, ajuda a empresas que queriam manter seus empregados trabalhando, eventuais elevações de seguro desemprego e a distribuição de recursos para ajudar setores a exportar. Os estímulos fiscais dados pelo governo brasileiro foram inferiores aos da China e Coreia, com 6,2% do PIB, e dos 6,4% na Argentina.

Nos Estados Unidos, a taxa chegou a 5,5%, contra 4,7% no Japão e 3,9% na Espanha. Mas o Reino Unido destinou apenas 1,9% e na França a taxa foi de 1,5%. Detlef Kotte, autor do estudo, revela que de fato os pacotes foram e conti­nuam sendo necessários para compensar as perdas geradas pela crise. "Sem essas medidas, a pobreza teria aumentado certamente, inclusive no Brasil", disse. Kotte alerta que o impacto nas contas do governo surgirá apenas em 2010, no cálculo do déficit fiscal. "A esperança de muitos governos é de que esse déficit seja neutralizado pelo crescimento que os pacotes vão gerar", disse. O risco, segundo ele, é de que a renda gerada pelo crescimento e o maior pagamento de impostos levem um certo tempo ainda para ocorrer.

Bancos

Nos pacotes de socorro aos bancos, a situação é diferente. O Brasil destinou apenas 1,5% de seu PIB para ajudar as instituições financeiras. Na Índia, a taxa chegou a 6%. Já nos países ricos, os volumes chegaram a 263% do PIB da Islândia, 230% na Irlanda, 81% nos EUA e 22% na Alemanha. Em média, as maiores economias destinaram o equivalente a 32% de seus PIBs em injeção de capitais em bancos, compra de ações, empréstimos, apoio do banco central e garantias.

Para a ONU, tudo isso não resolveu o problema. Muitos bancos continuaram sem emprestar, ainda que o sistema financeiro tenha sido salvo do colapso. Para a entidade, enquanto o desemprego aumentar e o consumo cair, os bancos não vão se sentir cômodos suficiente para voltar a liberar recursos.

Crescimento

Apesar dos gastos, a economia brasileira sofrerá uma queda de 0,8% em 2009, de acordo com a ONU. O tombo será mais suave que a média latino-americana, de 2%. A pior situação na região é do México, com uma contração de 7%. Meirelles, no entanto insiste que o Brasil apresentará uma taxa positiva ao longo deste ano.

China e Índia terão taxas bem altas para o atual cenário, de 7,8% e 5%, respectivamente. Os dois países puxarão a média dos emergentes para cima. No geral, os mercados em desenvolvimento terminarão 2009 com um crescimento de 1,3%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.