Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Detalhe do prédio do Congresso Nacional, em Brasília: funcionalismo federal tem maior “prêmio salarial” em relação ao setor privado, segundo o Banco Mundial.
Detalhe do prédio do Congresso Nacional, em Brasília: funcionalismo federal tem maior “prêmio salarial” em relação ao setor privado, segundo o Banco Mundial.| Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Um levantamento da Secretaria do Tesouro Nacional a partir de informações do Fundo Monetário Internacional (FMI) mostra que, entre 74 países, o Brasil tem a nona maior despesa com funcionalismo público. A pesquisa, com dados de 2019, considera a proporção dos gastos com servidores ativos em relação ao PIB e inclui o pagamento da folha nos níveis federal, estadual e municipal, além dos benefícios pagos pela administração pública para o sistema previdenciário.

Conforme painel do Tesouro, o Estado brasileiro pagou a servidores públicos o equivalente a 12,9% de seu PIB naquele ano. Em relação aos países do G20 – grupo das maiores economias do mundo –, o Brasil aparece na terceira colocação, atrás apenas de Arábia Saudita (17,1%) e África do Sul (15,2%), e bem à frente de economias mais avançadas como Estados Unidos (8,7%) e Japão (5,2%) – dados da China não estão disponíveis.

Gasto de países com remuneração de empregados em 2019 (em % do PIB)

PaísPorcentual
Kiribati30,8%
Arábia Saudita17,1%
África do Sul15,2%
Dinamarca15,1%
Noruega14,9%
Islândia14,4%
Timor-Leste13,1%
Samoa13,1%
Brasil12,9%
Costa Rica12,8%
Suécia12,6%
Chipre12,3%
Canadá12,1%
Finlândia12,0%
Bélgica11,9%
Croácia11,9%
San Marino11,9%
França11,8%
Quirguistão11,5%
Eslovênia11,4%
Grécia11,3%
Estónia11,1%
Malta10,9%
Bósnia e Herzegovina10,8%
Letônia10,7%
El Salvador10,7%
Áustria10,5%
Bulgária10,4%
Bielorrússia10,4%
Espanha10,4%
Polónia10,4%
Portugal10,4%
Sérvia10,2%
Hungria10,1%
Lituânia10,1%
Ucrânia10,0%
Israel9,9%
Eslováquia9,9%
Luxemburgo9,7%
Austrália9,5%
Chéquia9,5%
Itália9,4%
Rússia9,4%
Reino Unido9,0%
Nepal8,9%
Maurícia8,8%
Quênia8,7%
Turquia8,7%
Estados Unidos8,7%
Paraguai8,6%
Nova Zelândia8,5%
Uzbequistão8,0%
Países Baixos7,9%
Alemanha7,6%
Suíça7,5%
Moldávia7,4%
Chile7,1%
Emirados Árabes Unidos7,0%
Albânia6,9%
Peru6,8%
Irlanda6,5%
Macedônia do Norte6,4%
Coreia do Sul6,3%
Colômbia5,7%
Tailândia5,7%
Ruanda5,5%
Costa do Marfim5,2%
Japão5,2%
Armênia5,0%
Indonésia4,9%
Azerbaijão4,1%
Uganda4,0%
Geórgia3,6%
Mianmar3,5%
Singapura3,5%
Cazaquistão2,9%

Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional

Para a economista Vilma da Conceição Pinto, pesquisadora licenciada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), a comparação do indicador no cenário internacional é importante para a verificação de eventuais pontos de excesso.

“Porém é importante frisar que o gasto é uma função que depende tanto da quantidade de servidores quanto do valor pago a esses servidores”, ressalta. “Outro detalhe é que esse número contempla servidores ativos, inativos e pensionistas. Assim, fatores como demografia, por exemplo, também tendem a afetar esses valores.”

Um estudo da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), com base em dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) de 2018, mostra que a proporção de funcionários públicos em relação à população era de cerca de 12,5% naquele ano. A proporção está bem abaixo da média dos países da OCDE, que era de 21,1%.

Em termos de quadro de pessoal, portanto, o Estado brasileiro não é necessariamente "inchado". O dinheiro destinado aos salários e aposentadorias é que está acima da média.

A situação mantém-se como a observada em 2017 em um relatório do Banco Mundial. “A combinação de alto gasto com pessoal, como proporção do PIB, e moderada proporção de servidores públicos, como proporção do emprego, sugere uma situação em que os servidores públicos brasileiros têm altos salários, quando comparados com os dos outros países”, diz o documento.

Segundo o Banco Mundial, um servidor público brasileiro recebe, em média, 19% mais do que trabalhadores do setor privado com função e escolaridade semelhantes. A essa diferença, a entidade dá o nome de “prêmio salarial”. Embora o porcentual esteja linha com a média uma amostra de 53 países, que é de 21%, há grandes diferenças entre as diversas categorias do funcionalismo brasileiro de acordo com a esfera e o Poder em que atuam. O indicador chega a 96% no âmbito federal, e a 36%, no nível estadual, enquanto que não há prêmio salarial no funcionalismo municipal.

Entre os poderes, a média salarial dos servidores do Judiciário chega a R$ 15,2 mil, enquanto no executivo municipal, fica em R$ 2,9 mil, segundo o Atlas do Estado Brasileiro, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), também com dados de 2019.

“Fazendo um paralelo com a reforma administrativa, é importante que o governo busque a melhor forma de alocar seus recursos e de prover serviços públicos para a sociedade. Uma realidade é a diferença salarial entre o público e privado, que em excesso pode gerar distorções”, diz a pesquisadora licenciada do Ibre.

Aprovada em maio pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, a proposta de reforma administrativa do governo federal é tratada como necessária para a reduzir essa diferença de remuneração entre empregados do setor público e do privado.

O texto sofre críticas, no entanto, porque não inclui membros dos Poderes, como parlamentares, magistrados, promotores e procuradores, além de militares. A explicação do Ministério da Economia é que o Executivo não pode definir normas específicas para os poderes Legislativo e Judiciário.

Enquanto se discute a reforma, uma portaria do Ministério da Economia passou a autorizar que militares da reserva e servidores civis aposentados que continuam exercendo determinados cargos recebam tanto os salários quanto as aposentadorias, mesmo que ultrapassem o teto de R$ 39,2 mil. Entre os beneficiados pela medida estão o presidente Jair Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão.

87 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]