i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tecnologia

Brasileiro assiste a vídeos longos no celular, mas reluta em pagar por eles

País é o sétimo entre os que mais veem vídeos com mais cinco minutos, mas só 18% dos pesquisados concordariam em pagar pelo conteúdo

    • São Paulo
    • Folhapress
    • 20/06/2015 15:19
     | Reuters
    | Foto: Reuters

    Os brasileiros ficam em sétimo lugar entre as nacionalidades que mais assistem a vídeos longos (com mais de cinco minutos) no celular: 43% do público consome esse tipo de produção regularmente.

    Mesmo assim, apenas 18% dos pesquisados concordariam em pagar pelo conteúdo, o que coloca o país no 17º lugar da lista, empatado com a Áustria. Nesse quesito o Brasil ainda fica, no entanto, à frente de países como Itália, França e Portugal.

    Realidade virtual é o grande destaque da E3

    Maior feira de games do mundo foi tomada de assalto por óculos que prometem reinventar experiência dos usuários em jogos

    Leia a matéria completa

    Os dados fazem parte de pesquisa do IAB (International Advertising Bureau) feita neste ano em 24 países com 200 pessoas que possuem smartphones e têm mais de 16 anos.

    Para Cristiane Camargo, diretora-executiva do IAB Brasil, o gosto por vídeos longos vem da força que a televisão tradicionalmente tem na cultura brasileira.

    ‘Canais de vídeos na internet vão muito bem no Brasil, o que é uma continuidade dessa cultura da novela, do programa de auditório nas plataformas móveis’, afirma.

    Segundo Camargo, essa transição é em parte mérito das emissoras de TV, que em sua visão exploram bem os vídeos mobile, com chamadas do tipo ‘acesse o site e continue assistindo o programa’.

    Os dados da pesquisa mostram que as emissoras acertam no investimento: 22% do público brasileiro afirmou estar assistindo menos televisão por causa do maior uso do celular para chegar ao conteúdo audiovisual.

    ‘A TV aberta ainda obriga o usuário a assistir o conteúdo em uma hora estabelecida, o De Volta Para O Futuro no meio das férias, às 15h. Isso faz cada vez menos sentido’, diz Camargo.

    Nos 24 países incluídos na pesquisa, o vídeo mobile é consumido através de canais como Youtube (62%), plataformas de mídias sociais (33%), resultados de pesquisa (20%) e publicidade (14%).

    Pagamento

    A força do modelo da TV ainda contribui, no entanto, para a aversão a pagar pelo conteúdo. De acordo com a pesquisa, 83% dos brasileiros preferem assistir conteúdo de graça, mas com anúncios, e apenas 15% já pagaram por algum conteúdo de vídeo assistido no smartphone.

    Dos que concordariam em pagar pelos vídeos, 13% adotariam o modelo de comprar um pacote mensal de vídeos, e 5% prefeririam pagar por cada vídeo assistido, sem propagandas.

    A essa questão cultural se soma também um fator econômico, afirma Camargo.

    ‘As pessoas não têm tanto dinheiro no país. A maior parte da telefonia do Brasil é pré-paga, e o público sabe que, se somados, pequenos aumentos em assinaturas e planos de dados acabam significando um impacto grande no orçamento’, diz.

    “Telas duplas” de publicidade

    Os números do IAB não apontam somente para uma competição entre smartphones e televisão, mas também para o seu uso complementar.

    No Brasil, 64% do público declarou assistir vídeos no smartphone e televisão simultaneamente.

    Riza Soares, diretora-geral no Brasil da Smart Flip, empresa alemã voltada para o segmento de vídeo em diversas plataformas, o público tem se acostumado a dividir a atenção entre vários aparelhos.

    ‘O desafio é entender e acompanhar esse comportamento. De manhã, o foco é em geral mais no celular, no horário do trabalho, no desktop, e à noite, em casa, o consumo da TV e do celular ao mesmo tempo’, afirma.

    Segundo o estudo do IAB, na América Latina 44% dos usuários afirmaram concentrar seu consumo de vídeos no celular no horário das 20h às 22h59.

    Para Soares, esse novo tipo de uso desafia, por exemplo, um canal noticioso a disponibilizar no site conteúdo aprofundado para a manchete da TV.

    A mudança também se mostra um desafio para a publicidade.

    A América Latina é a região do mundo em que o maior número de entrevistados (71%) afirmou ver com frequência exatamente o mesmo anúncio na televisão e em vídeos por smartphone, acima da média global de 66%.

    Apesar disso, 85% dos brasileiros afirmam que prefeririam ver propagandas específicas para o celular.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.