Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Campagnolo é o novo presidente da Fiep

Eleição

Campagnolo é o novo presidente da Fiep

Pela primeira vez em 67 anos, entidade que representa a indústria paranaense terá um empresário do interior no principal posto

  • Carlos Guimarães Filho
Campagnolo (à esquerda) teve o apoio do atual presidente, Rodrigo Rocha Loures |
Campagnolo (à esquerda) teve o apoio do atual presidente, Rodrigo Rocha Loures
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O empresário Edson Campag­nolo foi eleito, ontem, presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) para os próximos quatro anos. O candidato da situação obteve 69 votos e derrotou o secretário de Estado licenciado de Indústria e Comércio, Ricardo Barros, representante da oposição, que recebeu 21 votos. Cinco votos foram impugnados pela mesa de votação das eleições da Fiep, que não informou os motivos, já que não modificariam o resultado final. O mandato de Campagnolo começa no dia 3 de outubro.

"Nós esperávamos um número expressivo de votos, já que estávamos monitorando diariamente os sindicatos", disse o candidato vencedor. "Era possível sentir o apoio dos sindicatos à nossa campanha", complementou. Há cerca de duas semanas, Campagnolo afirmou que a expectativa era de receber entre 65 a 80 votos.

A vitória de Campagnolo, que contou com o apoio irrestrito do atual presidente da entidade, Rodrigo Rocha Loures, é um marco na história da Federação. Pela primeira vez, em 67 anos de existência da entidade, um representante do interior do estado assume o principal posto. Empresário há 33 anos, Campagnolo é do município de Capanema, no Sudoeste do estado, com 18 mil habitantes, onde está instalada a sua fábrica de roupas.

Atraso

A votação foi realizada na sede da Fiep, no Centro de Curitiba, e foi bastante tumultuada. A divulgação do resultado, programada para ocorrer pouco tempo após o encerramento da votação, demorou quase duas horas. A suspeita de que haveria microcâmeras na sala onde ocorreu a votação fez com que o candidato Ricardo Barros pedisse que o ambiente fosse lacrado. De acordo com a assessoria da Federação, na sala há apenas duas televisões de LCD.

"Nós não estamos pedindo a impugnação do resultado. Mas as microcâmeras estão lá [na sala utilizada para votação]. Nosso ob­­jetivo é provar que a mesa não é imparcial e fazer com que haja uma comissão independente na próxima eleição", argumentou Barros.

Apesar da pequena votação, o candidato avaliou como positiva a participação no processo eleitoral da Federação. "Nosso papel era fazer oposição para mostrar as dificuldades e fragilidades do estatuto da Fiep. Pudemos mostrar que existe insatisfação dos sindicatos", afirmou Barros, que retorna as atividades de secretário de Estado hoje.

Twitter

Durante a contagem de votos, apesar de o local ser restrito aos integrantes da mesa de eleição da Fiep, candidatos e poucos representantes das duas chapas, as dezenas de pessoas aglomeradas na sala ao lado puderam acompanhar o processo. Um representante da chapa Fiep Inde­pen­dente, encabeçada por Campag­nolo, publicava mensagens com as parciais no Twitter. Os funcionários da Federação não esconderam a torcida pelo candidato da situação e comemoraram cada voto contabilizado a favor do empresário de Capanema.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE