Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O tomate foi o produto que acumulou a maior alta ao longo do ano, subindo 122,22% | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
O tomate foi o produto que acumulou a maior alta ao longo do ano, subindo 122,22%| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Curitiba está na sexta posição entra as capitais com as cestas básicas mais cara do país

O valor da cesta básica dos curitibanos aumentou 22,52% ao longo de 2008, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgados nesta quarta-feira (7). O conjunto de gêneros alimentícios de primeira necessidade fechou o ano custando R$ 229,39. O tomate foi o produto que acumulou a maior alta ao longo de 2008, tendo subido 122,22%.

Em nove das 16 capitais brasileiras, onde o Dieese realizou mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, os alimentos subiram mais de 20% no ano passado. Os maiores aumentos foram apurados em João Pessoa (29,31%), Natal (26,73%), Florianópolis (25,26%), Fortaleza (24,61%), Rio de Janeiro (23,31) e Curitiba (22,52). As menores variações ocorreram em Belém (4,76%), Goiânia (10,61%), São Paulo (11,58%), Belo Horizonte (12,43%) e Aracaju (12,92%).

O vilão da cesta básica no ano passado foi o tomate, que dobrou de preço. A dupla que compõe o prato principal do brasileiro, o feijão e o arroz, também está na lista de produtos que mais subiram. O feijão é o segundo colocado com alta de 50,65% e o arroz o terceiro com aumento de 25% no ano. Na sequência aparece o pão (20%), a carne (18,36%) e a banana (15,38%).

Dezembro

Em dezembro, todas as localidades pesquisadas registraram alta em relação ao mês anterior. As elevações mais significativas verificaram-se em João Pessoa (14,71%), Aracaju (7,74%), Natal (7,45%), Porto Alegre (6,64%) e Rio de Janeiro (6,45%). Belém (0,29%), São Paulo (0,35%), Curitiba e Vitória (ambas com taxa de 0,61%) apresentaram os menores aumentos.

Para suprir as despesas mensais de uma família com itens básicos de alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o Dieese estimou que, em dezembro, o salário mínimo ideal deveria ser R$ 2.141,08. O valor é cinco vezes maior que o salário mínimo em vigor, de R$ 415.

Higiene e Limpeza

Os produtos de limpeza e higiene apresentaram uma alta de 0,46% em dezembro de 2008. Entre os gêneros de limpeza os que mais subiram foram o sabão em pó (1,92%), a esponja de louça (4,99%) e na cera para assoalho (2,03%). Já o amaciante de roupa registrou queda de 3,96% no preço. Entre o material higiene o bronzeador caiu 16,30% e o papel higiênico subiu 7,60%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]