i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
consumo

Cheque sem fundos ganha força em época de compras

Pré-datados do Dia da Criança dão prejuízo a comerciantes em novembro; situação deve se repetir nos meses seguintes ao Natal

  • PorCintia Junges, especial para a Gazeta do Povo, com Agência Estado
  • 19/12/2011 21:18
Veja no infográfico o crescimento no número e no uso de cartões de crédito |
Veja no infográfico o crescimento no número e no uso de cartões de crédito| Foto:

Juntar limites de cartões é a nova moda no comércio

Agência O Globo

De olho no fôlego da nova classe média para o consumo, as empresas estão distribuindo o pagamento dos produtos em mais de um cartão de crédito para burlar o obstáculo da renda. Embora ainda seja uma modalidade desconhecida do grande público, a estratégia já é adotada nas lojas e sites de grandes redes varejistas como a Ricardo Eletro e o Ponto Frio, sobretudo na oferta de eletrodomésticos e eletroeletrônicos pela internet. A estratégia tem um alvo certo: pessoas que têm limite baixo no cartão e que precisam aumentar o poder de fogo na compras de produtos mais caros, como tevê, geladeira e fogão, os maiores sonhos de consumo da classe C.

A faxineira Raimunda Jucely Martim Marques, moradora da Rocinha, no Rio de Janeiro, não conhecia a opção. Com dois cartões de crédito com limite de até R$ 600, ela costuma recorrer a amigos com limite maior quando precisa comprar um bem mais caro. Neste Natal, Rai­munda planeja comprar um armário de cozinha e já sabe como. "Sempre compro parcelado porque quando a gente paga aluguel fica difícil comprar de uma vez só", afirma.

A assessora executiva do Procon-SP Vera Remedi alerta, porém, que o consumidor deve redobrar o cuidado em compras com mais de um cartão. "Os maiores vilões [da inadimplência] são o cartão de crédito e o cheque especial. As pessoas não se dão conta de que, quanto mais parcelam, mais podem perder o controle. Todas essas facilidades no mercado têm de ser olhadas com muito cuidado", avisa.

Estratégia

Para a socióloga Leticia Veloso, da Universidade Federal Flumi­nense (UFF), a classe C já estabelece suas próprias estratégias na compra de bens. "Esse público está diversificando as formas de consumo e a internet veio para facilitar. Muitos já usam mais de um cartão para compras ou é comum que vários membros da família se unam para comprar um bem juntos", afirma.

Para especialistas, a formalização do emprego, o maior acesso a ferramentas de crédito (como o cartão) e as medidas anunciadas em dezembro de redução do IPI sobre a linha branca devem turbinar o Natal deste ano. Para a advogada Ellen Gonçalves, do Pires & Gonçalves Advogados Associados, o fato de a nova classe média consumir um produto durável é uma amostra de cidadania. Ela frisa, no entanto, que é preciso que fornecedores, empresas e órgãos públicos desenvolvam uma educação para o consumo. "É preciso haver campanhas educativas para um consumo consciente. Existe uma demanda por crédito muito grande e é necessário que as pessoas não deem um passo maior que as pernas", considera.

Interatividade

Você ainda usa talões de cheque? Tem facilidade para encontrar estabelecimentos que aceitem os cheques?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

  • O posto onde Fábio Augusto trabalha perde com o

O volume total de cheques sem fundos emitidos no país subiu de 1,92% em outubro para 2,19% em novembro, segundo dados divulgados ontem pela Serasa Experian. Economistas da consultoria atribuem o aumento aos parcelamentos feitos com cheques pré-datados nas compras para o Dia da Criança e, segundo o professor de Finanças da Faculdade de Administração e Economia (FAE) Armando Raso­to, o cenário deverá se repetir nos próximos meses, com os excessos das compras de Natal. "Em fevereiro devem começar a cair os cheques pré-datados e a probabilidade de inadimplência é grande", diz.

No entanto, com exceção dos meses que concentram datas de grande consumo, a utilização do cheque vem caindo na preferência de consumidores e donos de estabelecimentos. Para o professor do Departamento de Eco­nomia da UFPR Luciano Naka­bashi, a redução no uso dos cheques é reflexo do crescimento dos meios eletrônicos de pagamento, que se popularizaram rapidamente, sobretudo no co­­mércio de bens e serviços. "Há algum tempo possuir uma má­­quina de cartões era um diferencial do estabelecimento. Hoje é uma necessidade, que, se não atendida, pode levar à perda de clientes", afirma o professor.

A substituição crescente dos cheques por cartões também é apontada em uma pesquisa da Associação Brasileira das Empre­sas de Cartões de Crédito e Ser­viços (Abecs) sobre o mercado dos meios eletrônicos de pagamento. De acordo com o levantamento, o dinheiro ainda é preferido por 76% dos lojistas, mas os cartões de crédito e débito já representam mais da metade do faturamento dos estabelecimentos comerciais. Enquanto o dinheiro é responsável por um terço do faturamento dos estabelecimentos pesquisados, o cheque tem contribuição cada vez menos expressiva, cerca de 3% em 2011.

Golpes

Nos últimos dez anos, o número de transações e pagamentos feitos com cheques diminuiu 61%. Após um período de estabilidade, registrado entre os anos de 2001 e 2006, a quantidade de cheques devolvidos e sem fundo também vem apresentando queda constante, com pequenas variações em meses de datas importantes para o comércio. Nesse mesmo período de dez anos, de acordo com o Banco Central, aumentaram os valores dos cheques devolvidos e sem fundos. "Isso comprova que, cada vez mais, os cheques estão sendo utilizados por pessoas interessadas em dar calote e tirar vantagem das fragilidades a que estão sujeitos os estabelecimentos que aceitam os talões", afirma Rasoto.

No posto de gasolina em que Fábio Santana Augusto trabalha, os cheques ainda são aceitos, mas a consulta aos serviços de proteção ao crédito é um procedimento padrão. "Apesar das precauções, cheques devolvidos são comuns aqui no posto", diz. Para Luiz Felipe Pelanda, gerente da rede de postos de gasolina que leva seu sobronome e inclui o estabelecimento gerenciado por Augusto, o prejuízo com cheques sem fundos varia entre R$ 5 mil e R$ 10 mil mensais, mas está mais restrito aos quatro postos da rede que ficam em rodovias. "Nos três postos da cidade, os cartões respondem por 90% do pagamento. Mas as empresas ainda utilizam muito o cheque", afirma Pelanda, justificando o motivo pelo qual o cheque ainda não foi abolido das formas de pagamento.

Talão ficará restrito a transações de empresas pequenas, diz professor

O crescimento do poder aquisitivo das classes C e D e as facilidades para adquirir cartões de crédito são fatores que levam o professor de Finanças da FAE Armando Rasoto a afirmar que o dinheiro eletrônico é o dinheiro do futuro. Segundo ele, os cheques pré-datados estão sendo facilmente substituídos pelos cartões de crédito, cuja principal vantagem para os consumidores é a possibilidade de fazer compras sem a necessidade de dinheiro na mão.

Apesar de não estarem na preferência da maioria dos lojistas por causa das taxas e encargos, conforme apontou a pesquisa da Abecs, os cartões de crédito são responsáveis por grande parte do faturamento dos estabelecimentos pesquisados em dez capitais brasileiras. Para Rasoto, a tendência é que os cheques acabem ficando restritos a transações comerciais entre empresas de pequeno e médio porte, para a compra de produtos e matérias-primas que integram o processo de produção. Mas, ainda assim, não vê muito futuro para os cheques na era dos cartões e das maquininhas abundantes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.