i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mobilidade social

Menos pobres e menos ricos: como a pandemia “engordou” a classe C no Brasil

  • 09/10/2020 08:42
Menos pobres e menos ricos: como a pandemia “engordou” a classe C no Brasil
| Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas

As medidas para mitigar os efeitos da pandemia da Covid-19 tiveram forte efeito na mobilidade social do país. A despeito dos temores iniciais de haver um grande incremento da população vulnerável, o país reduziu os indicadores de pobreza para os menores níveis em 40 anos.

Pesquisa da FGV Social que será divulgada nesta sexta-feira (9) revela um fenômeno curioso: o número de pobres diminuiu, mas a quantidade de pessoas com rendimentos relativamente elevados (para os padrões brasileiros) também caiu. Nesse período, quem cresceu foi o "miolo" da distribuição de renda, como são tratadas no estudo as famílias com renda per capita de meio a dois salários mínimos. Esse grupo, identificado com a chamada classe C, já era majoritário e ganhou 21,4 milhões de pessoas, quase meia população da Argentina.

Esse movimento se deu pela combinação de dois fatores principais.

Para a redução da pobreza, o pagamento do auxílio emergencial – benefício que teve cinco parcelas de R$ 600 e mais quatro de R$ 300 até o final do ano – foi a ação que, isolada, trouxe os reflexos mais positivos. Ela não apenas segurou a renda dos trabalhadores informais e população vulnerável, mas chegou a ter efeito de incremento no rendimento.

Em paralelo, há o Programa de Manutenção do Emprego e Benefício Emergencial (BEm), que celebrou 18,6 milhões de contratos e ajudou a manter os postos de trabalho de 9,7 milhões de pessoas. Mas, como havia a previsão de suspensão de contrato de trabalho e redução de salário e jornada, houve um impacto negativo na renda daquelas pessoas que já estão no mercado formal.

Coordenador do estudo, chamado de "Covid, Classes Econômicas e o Caminho do Meio", o diretor da FGV Social, Marcelo Neri, chama atenção para a diminuição do número de pobres.

A quantidade de pessoas com renda domiciliar per capita de até meio salário mínimo diminuiu 23,7% entre agosto de 2019 e o mesmo mês de 2020. Isso significa que 15 milhões de pessoas passaram a ter uma renda superior, fazendo com que o estoque de pobres ficasse em 50 milhões, o menor nível da série histórica. Com isso, o peso desse contingente caiu de 31% para 23,7% da população.

Em contrapartida, os estratos com maiores rendimentos perderam pessoas. Neri optou por agrupar nessa comparação as pessoas com renda domiciliar per capita acima de dois salários mínimos (R$ 2.090) por mês. Segundo o estudo, 4,8 milhões de brasileiros deixaram esse estrato mais alto, e a participação dele na população total caiu 15,7% em 2019 para 13,3% em agosto de 2020.

Neri ainda calculou o crescimento populacional do país neste período, estimado em 1,6 milhão.

Somando os que deixaram a pobreza, os que perderam renda e o crescimento populacional, o estudo concluiu que esse segmento intermediário – também conhecido genericamente como "classe C" – foi “engordado” por mais 21,4 milhões de brasileiros. No ano passado, ela representava 53,3% da população; agora, 63% dos brasileiros estão nesse "miolo".

Como a classe C cresceu na pandemia

A análise de Neri, embora também apresente faixas de renda mais amplas, busca concentrar em três porque elas sintetizam os movimentos observados. A divisão feita foi a seguinte:

  • até meio salário mínimo: pode ser vista como uma aproximação do contingente de pobres e representa uma renda de R$ 522,50 mensais, além de ser um dos critérios de inscrição no Cadastro Único (CadÚnico), também usado para selecionar quem receberia o auxílio emergencial;
  • entre meio e até dois salários mínimos: compõe um grupo mais estabilizado e com alta representatividade; e
  • acima de dois salários mínimos: esse agrupamento foi feito porque é a faixa com menor quantidade de pessoas. Boa parte desse segmento tem renda de até quatro salários mínimos por mês, na divisão per capita; a faixa com renda per capita acima de quatro salários mínimos representa apenas 4,2% da população brasileira, de acordo com os dados de agosto de 2020.

A pesquisa de Neri trabalhou com duas comparações temporais principais: a variação de 2019 para 2020 e durante os meses de pagamento de auxílio emergencial em julho e agosto deste ano.

Para se ter ideia, em 2019, o contingente de pobres (renda mensal de até meio salário mínimo) era de 65,2 milhões e passou para 50,2 milhões neste ano. Apenas entre julho e agosto, 1,95 milhão de pessoas fizeram essa travessia, deixando a pobreza rumo à classe C.

Na parte mais alta da distribuição de renda, o contingente passou de 32,9 milhões em 2019 para 28,1 milhões em agosto de 2020. “Esse quantitativo final é resultado de um rebaixamento acumulado de 4,8 milhões de brasileiros, apesar dos sinais de melhora no último mês, com o crescimento de 1 milhão de pessoas entre julho e agosto”, explica a pesquisa.

Como resultado, a classe C ganhou mais 21,4 milhões de pessoas, vindas sobretudo da parcela mais pobre da população, que foi muito beneficiada pelas ajudas do governo neste período.

Veja a evolução de pessoas com renda domiciliar per capita por classes, calculada pela FGV Social com base nos dados da Pnad do IBGE. Nas linhas está a renda domiciliar per capita e, nas colunas, o número de pessoas nesse estrato, em milhões, a cada ano. Os dados de 2020 são referentes a agosto:

renda domiciliar per capita201220192020
menos de ½ salário mínimo65,862,250,2
De ½ a menos de 2 salários mínimos103,2112,0133,4
2 ou mais salários mínimos28,232,928,1

A análise de Neri ainda mostrou que os impactos da mobilidade social entre os mais pobres foram maiores nas regiões Norte e Nordeste. Lá, a quantidade de pessoas com renda de até meio salário mínimo diminuiu 27,5% e 30,4%, respectivamente. Nas demais regiões, o efeito de recuo no contingente de pobres foi menor. O Sul registrou 13,9%, o Sudeste 14,2% e o Centro-Oeste, 21,7%.

“Estas diferenças são explicadas pela maior importância da renda do Bolsa Família expressos em valores per capita mensais nas regiões Nordeste (R$ 16,6) e Norte (R$ 14,7) e os menores nas regiões Sul (R$ 2,64) e Sudeste (R$ 3,94)”, explica.

Outra razão apontada foi a incidência de trabalhadores informais, os "invisíveis" que foram beneficiados com o auxílio emergencial. Da mesma forma que a divisão do Bolsa Família, há mais trabalhadores nessas categorias nas regiões Norte e Nordeste.

Impacto positivo pode ser revertido em 2021

Os resultados positivos, principalmente a respeito da redução da pobreza, são vistos com preocupação por Neri. Para ele, esse é o começo da crônica de uma crise.

“As transferências oficiais emergenciais caem à metade agora e desaparecem em 31 de dezembro, quando teremos meia população da Venezuela de volta à velha pobreza apenas pelo fim do efeito-auxilio, fora novos programas sociais e as cicatrizes trabalhistas de natureza mais permanente abertas pela crise”, argumenta na pesquisa.

A preocupação faz sentido: 38 milhões de brasileiros, que já estão sendo impactados pela redução do valor do benefício, correm o risco de ficar desassistidos no próximo ano sem o auxílio, sem poderem se enquadrar no Bolsa Família e assistindo ao impasse sobre o financiamento do Renda Cidadã.

O governo vem sucessivamente adiando a apresentação da proposta do programa Renda Cidadã – que já foi chamado de Renda Brasil e será a reformulação do Bolsa Família. Há um problema fiscal: a iniciativa é ambiciosa e custará caro, e o governo não tem esse dinheiro para bancar a ação. Fora o problema de financiamento, quase nada a respeito das condicionalidades do programa é discutido abertamente, de modo que é impossível prever quantos desses invisíveis serão de fato agregados ao futuro programa a partir de 2021.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Marcus Pinheiro Machado

    ± 2 dias

    me lembra o comentario da Prof Marilena Chaui sobre a classe media

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • L

      Luigi Tenco

      ± 1 dias

      Djanho³ é um fifaphuta, canalhaa, mentiroso e cumplice dos CRIMES cometidos por lularapio e quadrilha.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • N

      NH4NO3

      ± 1 dias

      Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    tamotsu kashino

    ± 3 dias

    Bolsonaro podia fazer igual a China. lá governo comunista emitiram valor astronomico de Yuan todos rastreados nas reservas cambiais de dólares que acumulou nos longos dos anos, e finaciou as industrias comercio e povos e estão saindo da grave crise desta pandemia de coronavirus, Brasil tem enorme reserva camibial em dolares, podia emitir notas de 200 reais rastreados nesta reserva cambial e continuar fornecendo tres notas de 200 pora o povo brasileiro, assim não precisará de aumentos de impostos e nem disparada de inflação.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • L

      Luigi Tenco

      ± 1 dias

      Rastreado? Um "economista" que não sabe o jargão básico da Economia?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • N

      Nikolas Heine

      ± 1 dias

      Cirao da massa ae gente

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rogério R

    ± 3 dias

    "...o país reduziu os indicadores de pobreza para os menores níveis em 40 anos." Apesar da maior crise mundial dos últimos 75 anos, a equipe montada por Bolsonaro faz o Brasil atravessar a tempestade como se navegasse por águas tranquilas! O nome disso é: "Liderança e Competência Bolsonarista!!! QUE COMECE O MIMIMI!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alexa

    ± 3 dias

    Vixi... agora vai dar tilt na esquerda

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]