i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Antonio Delfim Netto

Ciência e ideologia

  • PorAntonio Delfim Netto é deputado federal.
  • 26/07/2006 18:00

A teoria econômica está longe de ser um conhecimento em que as disputas podem ser resolvidas por experimentos bem definidos e reproduzíveis. Ela é dividida em "escolas", quase religiões. Todas têm o mesmo Deus (um agente representativo racional que maximiza seu bem-estar movendo-se por incentivos que produzem o equilíbrio no mercado), mas seus profetas o interpretam diferentemente. Cada uma delas esconde generosa contribuição ideológica, mas isso não significa que o conhecimento econômico é irrelevante para a formulação de boas políticas. Pelo contrário, ele é fundamental para ajudar a construir uma sociedade onde três valores essenciais, mas não inteiramente compatíveis, possam ser realizados: igualdade de oportunidades, liberdade individual e eficiência produtiva.

Devido à forma de ser da sua ciência, os economistas têm uma forte tendência a enfrentar suas questões ou com enorme arrogância (Eu sou o portador do "verdadeiro" conhecimento: veja minha matemática e minha econometria. Você é uma fraude!) ou com fantástico desvio ideológico (Eu conheço o mundo e o seu destino. Você pertence ao clube dos que se divertem com fantasias matemáticas inférteis que não levam em conta a "vontade política"!).

Essas duas tendências emergem com vigor na discussão sobre a taxa de câmbio que agora se processa. Todos têm, aparentemente, bons argumentos. Uns dizem que ela é produto da "oferta" e da "procura" de "divisas": é o "preço" que produz a maior eficiência produtiva. Logo, o melhor a fazer é aceitá-la como é e deixar o Estado de fora. Trata-se de uma obviedade que não explica nada, a não ser quando se explicita o que está por trás da "oferta" e da "procura". Aí se vê que ela depende tanto da economia real como da política monetária que constrói o diferencial entre a taxa de juro interna e externa.

Outros – com também bons argumentos sugeridos pela experiência histórica – pretendem utilizá-la como instrumento numa política de desenvolvimento, o que exige uma ativa ação do Estado: o estímulo à exportação cria emprego e acelera o crescimento e o aumento da importação torna possível a incorporação do progresso tecnológico e aumenta a produtividade da economia. Eles diferem, basicamente, na ideologia oculta: os primeiros crêem que o "mercado" com sua "mão invisível" resolverá um dia o problema do crescimento; os segundos crêem que ele precisa da ajuda da "mão visível" do Estado para realizá-lo.

dep.delfimnetto@camara.gov.br

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.