i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
boletim

A dor do desajuste

  • PorGuido Orgis
  • 08/01/2016 20:52

O discurso de que o ajuste fiscal não pode ser sinônimo de redução nas políticas sociais, repetido na última semana pela presidente Dilma Rousseff, é um caminho para não se tocar no custo do desajuste. O índice de inflação de 10,67% de 2015 é um deles.

O ciclo provocado pelo déficit público no Brasil é bem conhecido e não pode ser comparado ao que ocorre em economias maduras. Aqui, o déficit tem efeito inflacionário, seguido por elevação dos juros, redução da atividade, alta do desemprego e encolhimento da renda.

Esse é um custo social bastante elevado e não pode ser ignorado quando se fala em políticas sociais. Elas realmente atendem a um apelo fincado na Constituição. Mas a lei não previa que haveria momentos em que o ajuste do orçamento entraria em conflito com o engessamento do gasto.

Trata-se, portanto, de um problema de longo que precisa envolver as limitações de manobra no orçamento. E isso só será justificável se o governo contrariar os interesses que permitiram a priorização dessas áreas. A corrupção e os benefícios setoriais foram a moeda de troca de um modelo que promete mais do que entrega.

China

Quanto devemos temer a derrocada dos mercados da China? Bastante. O Brasil é considerada uma das economias mais frágeis do momento e se tornou íntima dos problemas chineses.

Doce Fado

Aberta em 2014, a doceria curitibana Doce Fado, especializada em quitutes portugueses e com três pontos na cidade, está preparando sua estreia em outros mercados. A ideia é abrir uma unidade em Florianópolis ainda no primeiro semestre. A loja será no centro, perto do Beiramar Shopping.

Supermercados

O setor supermercadista do Paraná vai realizar um evento para debater ações de redução de custo e sustentabilidade, uma combinação contra a crise. Estão na agenda temas como iluminação, refrigeração e custo da operação com cartões. O evento será realizado pela Apras no dia 20.

Em alta

Indústria automotiva

A americana, não a brasileira. No ano passado, foram vendidos 17,5 milhões de veículos nos Estados Unidos, um recorde. O dado marca a recuperação após a crise de 2008.

Em baixa

Correios

Não basta ter o monopólio. O Cade abriu uma investigação para apurar práticas anticompetitiva dos Correios, que estaria impedindo a competição no setor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.