i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Dinheiro em caixa na declaração do Imposto de Renda

  • PorJosé Alexandre Saraiva
  • 22/07/2017 00:01

Na seara do Imposto de Renda (IR) das pessoas físicas, o saldo de recursos apurado ao final do ano-calendário deve ser transferido para o mês de janeiro do ano-base subsequente. Seu consumo no apagar das luzes de um período não pode ser simplesmente presumido pela Receita Federal, e sim devidamente apurado e provado.

A prática de se inverter o ônus da prova e exigir do contribuinte demonstração física da existência da disponibilidade financeira regularmente informada na declaração de ajuste anual do IR é caminho que não se coaduna com os princípios que regem o processo administrativo fiscal.

Legislação

Não há, nem poderia haver, no universo normativo do IR, nenhuma disposição proibindo que o contribuinte tenha dinheiro em espécie no final de cada ano-calendário. Igualmente, não se exige que o numerário existente seja depositado em conta corrente ou em aplicações financeiras. A prova desse saldo, isto é, desses recursos em 31 de dezembro de cada ano, se faz, primordialmente, pela declaração anual do IR. Uma vez declarado, cabe ao Fisco, se for o caso, fazer a contraprova, ou seja, demonstrar que a disponibilidade declarada efetivamente não existia.

A autoridade responsável pelo procedimento administrativo de lançamento tributário é o agente do Fisco e a ele incumbe o ônus de provar suas alegações, sob pena de improcedência do lançamento efetuado.

Mera presunção

A vida econômica dos contribuintes não sofre solução de continuidade pela simples “virada do ano” – acontecimento que, na prática, tem a mesma representatividade que a passagem dos dias ou dos meses.

Por isso, não há que se falar em confinamento da atividade econômica em períodos estanques (ano-calendário), motivo pelo qual é ilógico presumir que o saldo de recursos existentes às 11h59 do dia 31 de dezembro tenha sido consumido antes de zero do dia 1.º de janeiro.

Tal compreensão é de suma importância na medida em que evita, por exemplo, a alegação de acréscimo patrimonial a descoberto, que não pode ser um conceito sujeito a ficção ou presunção absoluta.

O acréscimo patrimonial necessariamente decorre de um prejuízo de realidade, que deve ser comprovado no procedimento administrativo da fiscalização.

NO VÃO DA JAULA

****E mais uma vez o Fisco demonstra que está sempre de plantão para lançar suas garras afiadas contra as economias dos míseros e indefesos súditos de Pindorama, sempre que o Leviatã precisa encher suas burras.

****O anunciado aumento de impostos sobre combustíveis demonstra que os menos favorecidos são, invariavelmente, as primeiras presas a saciar a gula fiscal. A oneração tributária em questão implicará em alta nos preços dos meios de transportes em geral e, por consequência, no custo da circulação da riqueza produzida, da fábrica ao consumidor final.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.