| Hugo Harada/Gazeta do Povo
| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Os trabalhadores dos Correios de Curitiba decidiram na tarde desta segunda-feira (28) pela suspensão da paralisação deflagrada na última sexta (25). Na manhã desta segunda, os funcionários das unidades de Apucarana, Londrina, Ponta Grossa e Maringá voltaram ao trabalho depois de aprovar a proposta de conciliação apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). Foz do Iguaçu decidiu pelo fim durante a tarde. Em Cascavel, o sindicato segue reunido para decidir se continuará com os braços cruzados.

De acordo com os Correios do Paraná, a adesão à greve foi baixa. A estimativa é que cerca de 50 pessoas não compareceram ao trabalho de um total de 6.631.

Entre as propostas apresentadas pelo TST estão o pagamento de gratificações de R$ 150, retroativa a agosto deste ano, e de R$ 50. O dois benefícios serão dados em três parcelas de R$ 100, em janeiro do ano que vem; de R$ 50, em agosto de 2016; e de R$ 50, em janeiro de 2017. Os Correios também se comprometeram a não mexer no plano de saúde da categoria, que segundo a classe poderia excluir os pais como dependentes.

A paralisação nacional afetou principal os serviços no estado de São Paulo.

No último dia 22, o vice-presidente do TST, Ives Gandra, concedeu uma liminar determinando que as duas federações que representam a classe (Fentect e Findect) garantam um efetivo mínimo de 65% em atividade normal em cada unidade da empresa.

O TST também determinou que as federações se abstenham de impedir o livre trânsito de bens, pessoas e carga postal em todas as unidades dos Correios. A pena por descumprimento é de multa diária de R$ 65 mil.

Catorze sindicatos decidem pelo encerramento da greve

Os Correios informaram que 14 dos 36 sindicatos dos trabalhadores decidiram pelo fim da greve nesta segunda-feira, com retorno às atividades a partir da 0h de terça, dia 29. De acordo com a empresa, outros 16 sindicatos nacionais não cruzaram os braços, o que totaliza 30 órgãos com funcionários que estão comparecendo aos postos de emprego normalmente.

Além do aumento salarial e da gratificação, os Correios declaram que os trabalhadores terão reajuste de 9,56% no vale-alimentação e no vale-cesta; auxílio para filhos com deficiência; reembolso para a creche; e redução do compartilhamento do vale-alimentação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]