i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
energia elétrica

Conta de luz será reajustada em 24,8%

Reajuste médio passa a valer imediatamente em 396 cidades do Paraná. Copel reconhece que aumento parcial afeta investimentos

  • PorPedro Brodbeck
  • 22/07/2014 21:21
Diferença entre as duas propostas de reajuste deve ter um impacto de R$ 1 bilhão para Copel | Antônio More/ Gazeta do Povo
Diferença entre as duas propostas de reajuste deve ter um impacto de R$ 1 bilhão para Copel| Foto: Antônio More/ Gazeta do Povo

1,95% é quanto a energia elétrica passará a representar na planilha de custos da indústria com a alta de 26,28% na tarifa (para o consumidor residencial, o aumento será de 23,88%). Os segmentos mais prejudicados serão a metalurgia, produção de bens de madeira e a indústria têxtil.

Mais redução

A Aneel aprovou redução também nas tarifas operadas pela Companhia Campolarguense de Energia (Cocel) e pela Companhia Força e Luz do Oeste (CFLO). Nas 46 mil unidades atendidas pela Cocel, o aumento médio caiu de 40,42% para 27,27%. Já para as 54 mil unidades da CFLO, o reajuste caiu de 42,73% para 31,96%.

RELEMBRE

O valor do reajuste da tarifa de energia no Paraná é uma novela que se arrasta desde maio. Confira:

• 30 de maio – Copel solicita para a Aneel o aumento médio de 32,4%, aprovado pelo conselho da companhia. Na época em que pediu o aumento, a Copel informou que o item que mais pesou na composição do Índice de Reajuste Tarifário Pleiteado (IRT) foi a compra de energia, que equivale a 19,1% do total solicitado pela companhia neste ano.

• 24 de junho – Aneel aprova o aumento da tarifa, com um reajuste levemente superior ao que tinha sido solicitado pela Copel. No mesmo dia, o governador Beto Richa se diz surpreendido com o aumento. A companhia volta atrás e pede a suspensão do aumento.

• 3 de julho – Copel pede um novo reajuste, agora de 24,86%, e informa que o restante do aumento será aplicado somente na nova negociação tarifária, em julho de 2015. O impacto estimado da redução nos caixas da companhia é de quase R$ 1 bilhão.

• 22 de julho – Aneel autoriza o aumento conforme solicitado pela Copel. A nova tarifa passa a valer imediatamente e com cobrança retroativa desde 24 de junho, quando o primeiro aumento foi aprovado.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou ontem a redução no reajuste da tarifa de luz a ser cobrada pela Copel. Com a decisão, o aumento médio para o consumidor será de 24,86%, ao invés dos 35,05% que tinham sido aprovados há cerca de um mês pela agência reguladora.

Por causa da suspensão do aumento, a cobrança referente ao mês passado será feita em uma única parcela retroativa, mas somente para os consumidores cuja fatura está datada para depois do dia 24 de cada mês. Neste caso, vai chegar para cada cliente uma cobrança separada da conta de luz tradicional. Para os demais usuários, não haverá cobrança retroativa por parte da companhia, que fornece energia para 4,2 milhões de unidades em 396 municípios do estado. Os aumentos são válidos para todas as classes de consumo, incluindo as residenciais, industriais e rurais.

Para o cálculo do reajuste, a Aneel considera a variação de custos da companhia ao longo do ano, como índices de inflação, renegociação de contratos de compra de energia e outras tarifas incidentes nos gastos das empresas, como, no caso da Copel, o reajuste da tarifa de Itaipu.

Reprimido

Com o aumento parcial, o restante do reajuste será feito somente em julho de 2015. "Depende muito de como o setor vai se comportar como um todo até lá, mas será necessário somar uma diferença de 15% que não entrou no cálculo deste ano", afirma o presidente da Copel Distribuição, Vladimir Daleffe. A diferença leva em conta cerca de 10% que ficaram de fora do cálculo deste ano e outros 5% que já não tinham sido considerados no reajuste de 2013. "Este último ano foi especialmente complicado porque tivemos que trocar contratos que eram baratos por outros mais caros, o que não deve acontecer com tanta intensidade nos próximos meses", pondera.

A diferença do aumento aprovado no mês passado e o autorizado ontem deve ter um impacto próximo de R$ 1 bilhão no caixa da Copel, além de outros R$ 330 milhões que deixarão de ser arrecadados pela administração estadual em ICMS.

Segundo o presidente da Copel Distribuição, a defasagem pode comprometer os investimentos da empresa para os próximos meses. "Alguns investimentos terão que ser adiados para o ano que vem."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.