i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Demanda em alta

Oásis em meio à crise: os setores da economia imunes aos efeitos do coronavírus

  • 10/04/2020 21:20
Apesar do coronavírus, alguns setores estão com demandas em alta
Apesar do coronavírus, alguns setores estão com demanda em alta: empresas de cosméticos, como a L’Oréal, adaptaram a produção para itens de higiene, como álcool gel.| Foto: Divulgação

A pandemia do novo coronavírus tem afetado muito o setor produtivo. Com grande parte do comércio fechado e a manutenção do atendimento apenas nos setores essenciais, o baque na economia é grande. Mas há alguns poucos setores em alta estão vivendo um momento peculiar, com um incremento na demanda neste período, que resultam até mesmo na contratação de trabalhadores, ainda que temporários.

Um levantamento feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontou que 7% das empresas consultadas registraram aumento na procura por seus produtos. Quando se trata de produção, 5% declararam ter registrado crescimento. Com esse movimento, algumas indústrias tiveram de adaptar o quadro de funcionários, com concessão de férias compulsórias para aqueles que fazem parte de grupos de risco e substituição ou ampliação no quadro de vagas.

Especialistas ouvidos pela Gazeta do Povo adiantam que isso ocorre em setores-chave, como os de supermercados e farmácias, além da cadeia produtiva de insumos para saúde. Na outra ponta, com as restrições impostas pelo isolamento social, o e-commerce e os serviços de delivery também vêm observando crescimento na demanda.

Os setores em alta e suas lições

Ainda que sejam a minoria, esses setores representam um tipo de respiro em tempos de quarentena e também abrem uma possibilidade de adaptação para produção e prestação de serviços. Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, lembra que, no curtíssimo prazo, supermercados e farmácias, que são serviços essenciais, já tiveram aumento de fluxo, que deve ser acentuado nas primeiras semanas dos próximos meses, por causa do calendário de pagamentos salarial.

As empresas com atividades diretamente relacionadas à questão da saúde devem registrar alta na demanda, avalia o professor de economia do Insper Otto Nogami. Para ele, a indústria de equipamentos e acessórios hospitalares – do álcool gel, passando pela produção de máscaras e demais EPIs, além de camas e suportes para medicamentos –, e também a indústria plástica devem ser setores beneficiados pela crise.

A avaliação do professor é de que as indústrias de bem essenciais, como as que produzem material de limpeza e itens de alimentação, sofreram certo baque, mas pela característica de essencialidade seguiram funcionando, ao contrário do setor de serviços e itens supérfluos, que foram os mais afetados.

“A partir do momento em que você é uma empresa que faz parte de alguma cadeia que está se beneficiando dessa quarentena, seu faturamento irá cair, mas isso não implica em fechamento e encerramento da atividade. Muitas indústrias estão se ajustando a essa nova realidade, e quem tem condições de partir para a produção de produtos alternativos, que atendam a essa cadeia, vai conseguir reverter as perdas”, pontua Nogami.

O crescimento da procura por esses setores se reflete, também, na abertura de vagas de trabalho, ainda que temporárias. No varejo, as redes GPA (Pão de Açúcar), Carrefour e Big vão contratar 11 mil pessoas, entre funcionários efetivos e temporários. Na indústria, a BRF está contratando 2 mil pessoas, entre colaboradores próprios e terceiros, que vão manter a produção e substituir funcionários do grupo de risco, que foram orientados preventivamente a ficar em casa. A JBS também anunciou a abertura de 3 mil vagas de empregos, entre postos de trabalho diretos e indiretos.

Isolamento deve levar a salto do e-commerce

O setor de e-commerce também deve ter um boom na demanda. Pesquisa da Ebit/Nielsen mostrou que em março de 2020, após a confirmação dos primeiros casos da Covid-19 no Brasil, houve um aumento acima da média no número de pessoas que faziam a primeira compra online. Nos três primeiros meses, os itens mais buscados foram produtos de limpeza, como álcool líquido e álcool gel, além de itens como fraldas para bebês, termômetros e até alimentos enlatados e papinhas infantis.

Na visão de Gustavo Cruz, da RB Investimentos, o setor, que deveria registrar um crescimento contínuo ao longo do tempo, vai ter uma aceleração por causa do coronavírus. “O e-commerce de alimentos, o delivery, vai acelerar, e isso vai puxar outras partes da cadeia, como a área da logística”, aponta. Além do transporte, há uma aposta de que empresas que fornecem serviços de armazenagem e galpões não sejam prejudicados com queda de ativos e possam ser, inclusive, beneficiadas pela mudança no padrão de comportamento.

Esse novo padrão é explicado pelo isolamento. Como lembra o professor Otto Nogami, a partir do momento em que a pessoa fica mais tempo em casa, a capacidade de ela explorar produtos pela internet aumenta. “O desejo de consumir sai do comércio de rua para o comércio internet. Essa é uma característica que muitos varejistas, principalmente no segmento de roupas, intensificam nas compras pela internet”, avalia.

Embora não haja muitos dados consolidados, os serviços de delivery de comida, de restaurantes e mercados, ganharam impulso nas últimas semanas. Enquanto algumas plataformas dizem ser muito cedo para mensurar os impactos da doença nas operações e hábitos de consumo, o Rappi revelou à Reuters um aumento de 30% na demanda em toda América Latina.

Nogami lembra que esse setor de alimentação acaba alavancando outros, como a indústria de plástico, porque demanda embalagens para seus produtos – e os chamados estão crescendo. Bares, restaurantes e mercados tentam se adaptar ao novo tipo de serviço e ainda não há consenso se as vendas online irão compensar a queda no faturamento ocasionada pelas medidas de restrição de convívio.

De olho no nicho de entregas, as plataformas de transporte estão ampliando seu rol de serviços. A Uber Eats, por exemplo, segue os passos de iFood e Rappi ao incluir farmácias, pet shops e lojas de conveniências na lista de fornecedores. A Cabify vai criar uma modalidade de entregas, em cidades selecionadas e com uma parcela dos motoristas, que terão a opção de outro tipo de trabalho que não o de transporte de passageiros. Já a 99 trabalha para expandir a 99Food. Antes restrita a Belo Horizonte, a plataforma estreou em Curitiba e é uma aposta da empresa para ampliar suas operações no Brasil.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    JESIEL FONTANA DOS SANTOS

    ± 2 dias

    Mais de 600 mil pequenas empresas fecharam as portas com coronavírus Pelo menos 600 mil micro e pequenas empresas fecharam as portas e 9 milhões de funcionários foram demitidos em razão dos efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus. É o que mostra levantamento feito pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às micro e pequenas empresas) e obtido com exclusividade pela CNN. A pesquisa também mostra que 30% dos empresários tiveram que buscar empréstimos para manter seus negócios, mas o resultado não tem sido positivo: 29,5% destes empreendedores ainda aguarda uma resposta das instituições financeiras e 59,2% simplesmentes tiveram seus pedidos negados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Celito Medeiros

    ± 3 dias

    O que realmente temos a perder? Nossa liberdade? Ir e vir, viajar e comprar o que quisermos? Nossa liberdade de expressão? Converse com Julian Assange ou Edward Snowden sobre isso. Nossa saúde? O que, em nome da "saúde", pode paralisar todo o planeta? Nossa prosperidade foi destruída várias vezes. Nossa privacidade? Sem comentários... Nossas vidas? Ou vivemos ou não. Ou ousamos viver ou não. Sempre existiremos, a questão é se tiramos uma vida do nosso ser? Nossos amigos? Você não perde amigos de verdade, a menos que se comporte de maneira antiética, comprometendo lá na frente, além deste corpo. Será que os Dominadores esqueceram a Proibição de Armas Químicas e Biológicas? Sinal vermelho.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Castell

    ± 3 dias

    Hoje em dia ficou fácil criar com tudo online, ( Pasquim do POLVO ), sua mídia online. Só criar um rodapé, colar algumas coisas já publicadas e uns famosos analfabetos para comentar algo. Não esquecer de cobrar a mídia digital $$$$$.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MORALES

    ± 3 dias

    Obviamente é uma questão de tempo para a população não ter mais poder aquisitivo para girar esses setores, momento em que, como é obviamente esperado, todos passarão pela mesma peneira. Ou alguém acha que o e-commerce e outros setores sobreviventes vão ter o mesmo público comprador sempre?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Leonel Filho

    ± 3 dias

    App 99 é agora uma empresa chinesa e, como tal, tem sua cota de financiamento na ditadura do Partido Comunista Chinês. Essa empresa eu boicoto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    ± 3 dias

    Matéria vergonhosa... Esses setores estão sendo favorecidos pelo estado/município pois Podem abrir, enquanto os outros não podem... Vergonhoso!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 3 dias

    Pena que os outros 90% da economia irão a falência com supressão da liberdade impostas por alguns governadorzinhos de mierda metidos a ditadorzinho de plantão ou maria em cima do muro...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.