Os sócios da startup Eunerd, Daniel Tutida e Bruno Ramos.
Os sócios da startup Eunerd, Daniel Tutida e Bruno Ramos.| Foto: Divulgação

Ao reunir modelos de negócio como do Uber e do Tinder e conceitos de RHtech ao mesmo tempo, a plataforma Eunerd conecta técnicos de informática a empresas, principalmente de varejo, franquias e serviços, que precisam de socorro recorrente de profissionais de TI. A empresa nasceu em 2014, como o blog Encontre um Nerd. No ano seguinte, o projeto foi finalista da Campus Party, estava com 3 mil nerds cadastrados e realizou 5 mil serviços durante o ano todo.

Em 2018, após altos e baixos, rodadas de investimento-anjo que somaram R$ 375 mil e passagens por programas de aceleração da ACE e da We Work, a plataforma se transformou na Eunerd. Com um modelo inovador e promissor, e o respaldo de um pitch muito bem-humorado (assista ao vídeo), a startup passou então por mais uma rodada de investimento, ao receber um aporte de R$ 250 mil do Grupo Gaia. Com mais de 15 mil técnicos cadastrados, 150 empresas clientes e um alcance de 800 cidades brasileiras, a Eunerd faturou R$ 1,5 milhão no ano passado.

Há um mês a Euronerd chegou ao espaço de empreendedorismo Cubo Itaú, em São Paulo, com 25 colaboradores, e a estimativa de crescer quase 300% em 2019, somando um faturamento de R$ 5,5 milhões. Até o final deste ano, a startup planeja atingir três grandes focos. O primeiro é proporcionar uma maior liberdade financeira aos nerds. “Se ele fez atendimento no dia 5 do mês, hoje ele recebe no dia 20. Queremos que possa antecipar os valores. Estamos conversando com os bancos e fintechs para ter uma solução”, revela o cofundador da Eunerd, Daniel Tutida.

A empresa aposta ainda em melhorar os processos de gamificação, por um melhor marketplace, e abertura de mercado no Brasil. “Para isso, precisamos levantar uma nova rodada de investimento, que deve variar entre R$ 3 milhões e R$ 6 milhões.” A expansão mantém-se acelerada para 2020, com a projeção de chegar à casa dos R$ 13 milhões em faturamento e de levantar uma rodada de capital Série A no exterior.

Prestação de serviço a grandes empresas de varejo foi a chave

A Eunerd presta serviços a grandes companhias, como a Via Varejo, Syngenta, Saint Gobain, Grupo Avenida e CNH Industrial, e tem colecionado cases de sucesso entre seus clientes. “Além de conectar, fazemos todo o gerenciamento, se os técnicos chegaram no horário, se fizeram o serviço corretamente.

Logo de cara, o pontapé inicial da Eunerd foi com o atendimento à Via Varejo, de segmento B2C. Com 5 mil funcionários e faturamento em 2018 de R$ 7,4 bilhões, a companhia tem custos de R$ 86 milhões por ano somente com alocação de técnicos em campo para instalação e manutenção de periféricos como PDV’s e equipamentos de rede nas lojas Casas Bahia e Ponto Frio, gastando com deslocando e ociosidade de funcionários de capitais para o interior.

Em menos de dois meses, foram mais de 600 lojas atendidas pela Eunerd, em 360 cidades, com uma redução de 38% nos custos e despesas operacionais para a Via Varejo. Os custos com pessoal caíram em 20%. Em outro case, o Grupo Avenida, varejista da região Centro-Oeste, teve os custos operacionais do field service, quando a equipe de suporte da empresa vai até os clientes fisicamente para solucionar os problemas, em 20%.

“A economia pode chegar a 45% e as solicitações de serviços acontecem até dez vezes mais rápido, pois deslocamos o profissional que está mais perto da localidade. Na média, salvamos 8 horas por colaborador, por semana, em tarefas administrativas, com agendamentos, pagamentos e contagem de quilômetros rodados e customer support”, diz Tutida.

Nerds chegam a faturar R$ 7 mil por mês

Os nerds da plataforma são a maioria homens de 20 a 35 anos, que trabalham como autônomos ou microempreendedores individuais. A maioria está nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. A maior parte dos chamados é para serviços de manutenção e instalação de peças de notebook. Os ganhos variam, conforme a carga horária, tipo de serviço e metas do colaborador. Em média, eles faturam de R$ 500 a R$ 800, porém, há nerds que chegam a receber R$ 7 mil.

Para ser um técnico é preciso fazer um cadastro, atender a critérios como ser autônomo ou MEI, ter conta bancária e a disponibilidade, realizar um teste técnico e estar alinhado ao feed cultural da Euronerd, que tem como base quatro pilares: ética, pensar simples, ir além e cordialidade.

“Entendemos que para ter impacto positivo na sociedade, a plataforma precisa munir seus técnicos com ferramentas que ajudem a gerenciar a nova forma de trabalho que está surgindo. Precisamos tentar diminuir os problemas que a nova geração terá e que tenham maior entendimentos sobre as novas tecnologias”, destaca.

A Eunerd tem quatro tipos de planos para as empresas, de acordo com o perfil de serviços desejados. Eles custam de R$ 1 mil a R$ 100 mil. O contrato pode ser mensal ou por créditos. A plataforma oferece ainda a substituição de técnicos, em casos de férias ou licenças de funcionários nas empresas clientes.

Assista ao famoso pitch da Eunerd:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]