i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise financeira

Demanda por grandes empréstimos cresce 8,3%

  • PorAgência Estado
  • 02/01/2009 08:39

Por causa do agravamento da crise internacional de crédito, a partir de setembro do ano passado, o mercado bancário brasileiro passou a ser fonte de grandes empréstimos para as empresas nacionais. Dados do Banco Central (BC) mostram um aumento significativo no volume de financiamentos superiores a R$ 10 milhões contratados por pessoas jurídicas. O crescimento vinha ocorrendo ao longo do ano passado, ante o fechamento do mercado de capitais brasileiro, mas se acelerou fortemente em setembro e outubro de 2008, quando as linhas de crédito internacional secaram.

Os empréstimos acima de R$ 10 milhões para as empresas tiveram crescimento de 8,3% em outubro em relação a setembro, segundo os últimos dados disponíveis do BC. Perto do crescimento médio, de 2,9%, o movimento é relevante. Já os financiamentos de até R$ 100 mil para as empresas cresceram 1,7% e os de valores de R$ 100 mil a R$ 10 milhões, 0,8%. Em setembro, os empréstimos de maior valor já haviam crescido 7,9%. "Isso está associado à migração das grandes empresas para o mercado bancário doméstico, já que o mercado externo está fechado", confirma o economista da Tendências Consultoria Bruno Rocha. "E explica por que o crédito para pessoa jurídica continua crescendo nos mesmos patamares, enquanto para a pessoa física vem cedendo."

No segmento pessoa jurídica, os empréstimos de curtíssimo prazo (até 180 dias) e os de longo prazo (acima de três anos) foram os que mais cresceram em outubro, com altas de, respectivamente, 5 1% e 6,9%. Em valores nominais, os empréstimos de curtíssimo prazo, que têm maior representatividade no total de crédito às empresas, tiveram expansão maior: R$ 13,5 bilhões, ante R$ 8,2 bilhões dos de longo prazo. Os financiamentos de curto prazo (de seis meses a um ano) recuaram 1,4%, os de médio prazo (de um a três anos) subiram 2,6% e os de prazo indeterminado ficaram estáveis.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.