Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Numa sessão marcada pela baixa liquidez e por operações técnicas, o dólar fechou nesta sexta-feira (8) em baixa ante o real, na contramão do exterior.

A forte geração de vagas nos EUA em dezembro deu força à moeda americana lá fora, mas os investidores no Brasil aproveitaram preços mais elevados para vender dólares. Sempre que a cotação se aproximava dos R$ 4,05, surgia um movimento vendedor. Assim, o dólar à vista terminou o dia em queda de 0,37%, aos R$ 4,0340, mas acumulou nesta primeira semana do ano alta de 1,87%. A divisa para fevereiro, que encerra apenas às 18 horas, cedia 0,39%, aos R$ 4,06050.

No início do dia, o viés global para o dólar era negativo. Isso porque a China manobrou para que o yuan subisse ante o dólar – algo que não ocorria há nove sessões – e a bolsa de Xangai avançou 2%. Neste cenário mais calmo, o dólar abriu em baixa ante o real no Brasil. O fato de a cotação de fechamento na quarta-feira estar próxima dos R$ 4,05 também contribuía para as vendas, com exportadores aproveitando para internalizar recursos.

Mercados mundiais têm alívio após semana de turbulências

Bolsas chinesas finalmente se reergueram, mas preocupação sobre políticas econômicas do país permanecem

Leia a matéria completa

Perto das 9h50, o dólar praticamente zerou as perdas, com os investidores à espera do relatório de empregos dos EUA (payroll). Quando os números saíram, o dólar ganhou força no exterior e passou a subir ante várias divisas, mas no Brasil foi, inclusive, registrada nova mínima, ainda com exportadores aproveitando as cotações e players comprados no mercado futuro realizando parte dos lucros recentes. O dólar à vista marcou a mínima de R$ 4,0068 (-1,04%) às 11h36.

Emprego nos EUA

Os dados mostraram a criação de 292 mil empregos nos EUA em dezembro, bem acima da previsão de 210 mil vagas. Além disso, a criação de vagas em novembro foi revisada de 211 mil para 252 mil e a de outubro de 298 mil para 307 mil.

Os números reforçaram a percepção de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) tende a dar continuidade no processo de normalização da política monetária em 2016, com novas altas nas taxas de juros.

Como a liquidez no Brasil era baixa, as operações de venda acabavam intensificando o efeito negativo nas cotações. Com o dólar mais baixo, surgiram compras, o que reacelerou as cotações, mais em sintonia com a alta vista lá fora. No fim, porém, o dólar sustentou leve perda ante o real. Foi o primeiro recuo após duas sessões seguidas de ganhos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]