i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mercado financeiro

Dólar sobe mais de 5% e fecha a R$ 2,31 com turbulência mundial

Banco Central realizou quatro intervenções no mercado ao longo do pregão. Mercados globais tiveram um dos piores dias da crise

  • PorG1/Globo.com, com agências
  • 10/10/2008 14:05

O dólar viveu mais um pregão de forte valorização nesta sexta-feira (10), em meio a um dia de pânicos nos principais mercados financeiros mundiais. Nem mesmo as seguidas intervenções do Banco Central (BC) conseguiram conter a cotação da moeda americana frente ao real.

Segundo informações preliminares, ao final das negociações a divisa fechou com alta de 5,27%, aos R$ 2,314.

Ao longo do pregão, o BC interveio quatro vezes no mercado tentando limitar a subida do dólar. Na primeira, pela manhã, o BC vendeu diretamente dólares das reservas internacionais brasileiras, à taxa de R$ 2,27. Já na segunda, foi feito um leilão de 'swap' cambial, onde a instituição vendeu aproximadamente US$ 589 milhões em contratos.

Na terceira intervenção, foi feita mais uma venda direta, com taxa de R$ 2,31. Finalmente, pouco antes do fechamento, foi feita mais uma venda, a terceira, também à taxa de R$ 2,31.

"O clima é de cautela muito grande nos mercados, e poucos negócios", afirmou Luiz Pizani, operador de câmbio da corretora Liquidez.

Piores dias

Os mercados viveram um de seus piores dias desde o início da turbulência provocada pela instabilidade da economia dos Estados Unidos. A influência da ação coordenada de vários bancos centrais mundiais na quarta-feira, com cortes de juros, se dissipou e voltou a dar lugar ao pânico nas bolsas, que desabaram nas principais praças.

Na Europa, o índice FTSEurofirst 300 - que reúne os principais índices da Europa - despencou 7,6%, o menor patamar de fechamento desde 2 de julho de 2003. Na Ásia, o quadro não foi diferente. Em Tóquio, o índice Nikkei chegou a recuar 11,38%. Acabou fechando no vermelho de 9,62%, seu pior desempenho desde 28 de maio de 2003. Em Hong Kong, o índice Hang Seng encerrou em queda acentuada de 7,19%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.