i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise financeira

Dólar volta a cair depois de intervenção do Banco Central

Dólar chegou a valer R$ 2,52 no início dos negócios. Banco Central anunciou venda de até US$ 50 bilhões

  • PorG1/Globo.com
  • 23/10/2008 08:44

O dólar inverteu o sentido dos negócios e voltou a operar em queda nesta quinta-feira (23), reagindo à intervenção do Banco Central (BC) nas operações de câmbio. Por volta das 11h25, a moeda norte-americana era vendida a R$ 2,33, em baixa de 1,97%.

Mais cedo, a cotação chegou a R$ 2,52, influenciada pelo mau humor dos mercados financeiros mundiais. A alta perdeu força, no entanto, depois que o Banco Central anunciou a venda de até US$ 50 bilhões em contratos de "swap cambial". Estes instrumentos funcionam como uma venda de dólares no mercado futuro, o que contribui para impedir uma disparada maior do dólar no mercado à vista.

Na quarta-feira, o dólar subiu 6,67%, fechando a R$ 2,38 - ignorando as ações do Banco Central (BC) para conter a cotação. Segundo o presidente Henrique Meirelles, a atuação do BC para conter o dólar já somou US$ 22,8 bilhões desde o agravamento da crise externa, com a quebra do banco norte-americano Lehman Brothers em meados de setembro.

Os investidores vivem novo dia de pessimismo com a possibilidade de uma recessão mundial - sensação agravada depois de várias empresas terem apresentado queda em seus lucros no terceiro trimestre. "A gente continua a ter uma percepção ruim em relação à economia, de recessão. Não tem como fugir", considerou Gerson de Nobrega, gerente da tesouraria do Banco Alfa Investimento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.