i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Protesto

Em reunião em Brasília, caminhoneiros pedem redução de R$ 0,50 no óleo diesel

Caminhoneiros também reivindicam a criação de um piso mínimo para o frete

  • PorEstadão Conteúdo
  • 25/02/2015 15:53

Empresários, representantes do governo e trabalhadores estão reunidos desde as 11h desta quarta-feira (25), para tentar chegar a um acordo que dê fim à greve dos caminhoneiros. O encontro ocorre no Ministério dos Transportes. Ivar Luiz Schmidt, um dos líderes do Comando Nacional do Transporte, disse, ao chegar no ministério, que a principal demanda é reduzir o preço do óleo diesel em R$ 0,50. “Se reduzir, a greve para imediatamente”, garantiu.

Segundo o representante dos trabalhadores, a criação de um piso para o frete, o que ele chama de frete mínimo, também é uma medida solicitada pela categoria. “Quando antes o governo aprovar um frete mínimo, mais rápido pode subir os R$ 0,50 do diesel”, argumentou. “Ninguém mais tem condições de continuar trabalhando. Ninguém trabalha com lucro zero”, afirmou.

Expectativa

Schmidt disse que espera sair da reunião com uma decisão, caso contrário, o movimento deve piorar ainda mais. “Estou conectado com todos os líderes do Brasil e saindo daqui vou postar uma mensagem para eles sobre a continuidade do movimento”, explicou.

O senador Blairo Maggi (PR/MT) participa da reunião no Ministério dos Transportes. Segundo ele, dentro do governo parece não haver possibilidade de redução em R$ 0,50, como querem os caminhoneiros, no preço do combustível. “Pelo que o governo diz, não há possibilidade de reduzir”, afirmou.

Ele argumentou que o preço do frete respeita a lei da oferta e da procura e que o valor de hoje está baixo porque a safra de soja e de milho foi atrasada em dois meses. O senador ainda argumentou que a elevação do preço do frete pode ser um problema para as exportações brasileiras, que perderiam competitividade.

“Se Chicago cair bastante e os preços dos fretes subirem muito, o Brasil não vende para o exterior”, defendeu.

Maggi explicou ainda que o governo trabalha com duas pautas: a prorrogação do programa Financiamento de Máquinas e Equipamentos (Finame) e a sanção presidencial da lei dos caminhoneiros sem veto.

O secretário-geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, deve conceder uma entrevista coletiva à imprensa nesta tarde para falar sobre o protesto dos caminhoneiros. O horário, no entanto, ainda não está definido.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.