i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
consumo

Embalagem econômica cresce na crise

Pacotes menores e maiores, conhecidas como econômicas, caíram no gosto do consumidor, enquanto os intermediários perderam participação nas vendas

    • Estadão Conteúdo
    • 08/02/2016 09:29
     | Daniel Castellano/Arquivo / Gazeta do Povo
    | Foto: Daniel Castellano/Arquivo / Gazeta do Povo

    A crise mudou a preferência do brasileiro na hora de comprar produtos do dia a dia, como alimentos industrializados e itens de higiene e limpeza. Embalagens menores e maiores, conhecidas como econômicas, caíram no gosto do consumidor, enquanto as intermediárias perderam participação nas vendas.

    Uma pesquisa feita pela consultoria Nielsen mostra que nas 20 categorias mais importantes em faturamento nos supermercados, como cerveja, refrigerante, industrializados de carne, leite, achocolatado, entre outras, aumentou em 60% a importância da embalagem econômica nas vendas. A embalagem econômica é aquela que é maior, na qual o consumidor desembolsa mais num primeiro momento, mas o produto sai por um valor unitário menor.

    Na outra ponta, para essas mesmas categorias de produtos também cresceu em 40% a importância da embalagem menor nas vendas. Na embalagem menor, o consumidor gasta menos na hora da compra, levando para casa uma quantidade reduzida de produtos. Por meio de um painel eletrônico ligado a 4,5 mil lojas do setor de supermercados espalhadas pelo País, a consultoria acompanha as vendas de 240 itens.

    O iogurte em embalagens de até 360 gramas, por exemplo, que representava 3% das vendas em volume em 2014, ampliou sua participação para 5,4% no ano passado. No mesmo período, a fatia das embalagens maiores, com mais de um quilo, passou de 4,3% para 5,8%. Já os potes intermediários, com 361 gramas a um quilo, perderam quase dois pontos e meio de participação nas vendas, de 66,3% para 63,9%, apesar de representarem ainda a maior fatia.

    O crescimento de participação de vendas de embalagens pequenas e grandes e a perda da fatia das intermediárias se repetiu no ano passado em relação ao anterior para sucos prontos para beber, água mineral, amaciante de roupas, biscoitos, entre outros itens, aponta a pesquisa.

    “A crise acelerou o efeito ‘ampulheta’ no consumo”, observa o analista de mercado da consultoria, Jonathas Rosa. Ele conta que pela primeira vez foi identificado esse movimento nas vendas no início do ano passado e, de lá para cá, essa tendência ganhou força.

    A polarização das vendas de uma mesma categoria de produto foi batizada pelos especialistas de efeito ‘ampulheta’ porque o crescimento ocorre nos extremos e os tamanhos intermediários perdem participação.

    “Observamos o mesmo comportamento das embalagens se repetindo nas marcas”, diz o consultor. A participação nas vendas das marcas de preço menor e maior é crescente dentro de uma mesma categoria de produto. Segundo ele, esse movimento pode estar ligado à crise. “As classes sociais que sofrem menor impacto continuam comprando os produtos mais caros enquanto a grande maioria dos brasileiros busca marcas mais baratas.”

    O efeito ‘ampulheta’ entre as marcas é nítido nas vendas de azeite. Segundo a pesquisa, a fatia das marcas baratas de azeite nas vendas, que era de 26,6% em 2014, subiu para 28,5% no fim do ano passado. No caso das marcas de maior valor, o movimento foi semelhante: de 33,5% para 44,6%. Já as marcas de preço intermediário perderam fatia de vendas: eram 39,8% em 2014 e caíram para 26,9% em 2015. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.