Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Empreender
  4. Após compra de 50% pela Positivo, Hi Technologies vira startup de “alto impacto”

Time Endeavor

Após compra de 50% pela Positivo, Hi Technologies vira startup de “alto impacto”

Hi Technologies fez sucesso ao produzir uma mescla de oxímetro com tablet e agora entrou para o time de “Empreendedores Endeavor”

  • Naiady Piva
Metade da Positivo, Hi Technologies entra para lista de startups de alto impacto. Na foto, os sócios-diretores da  Hi Techonologies, Marcus Figueredo e Sérgio Rogal . | Antônio More / Arquivo/ Gazeta do Povo
Metade da Positivo, Hi Technologies entra para lista de startups de alto impacto. Na foto, os sócios-diretores da Hi Techonologies, Marcus Figueredo e Sérgio Rogal . Antônio More / Arquivo/ Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Em pouco mais de dez anos, a startup curitibana Hi Techonologies deixou de ser apenas uma boa ideia na cabeça de um grupo de universitários para virar uma empresa internacional, com ação no Brasil todo e em mais 15 países. No ano passado, metade da empresa foi comprada pela Positivo. De lá para cá, a empresa ganhou escala e diversificou sua linha. Seu carro chefe ainda é o Milli, uma mescla de oxímetro com tablet. Mas novas aplicações e serviços surgiram e há espaço para sonhar grande. Quem sabe até virar a primeira multinacional brasileira de tecnologia médica. Na semana passada, a Hi ganhou um reforço nesta missão, e passou a integrar o time de “Empreendedores Endeavor”, lista restrita, só com startups de alto impacto, ao redor do globo.

A trajetória não foi fácil. Marcus Figueredo e Sérgio Rogal estavam no meio da faculdade de engenharia da computação, em 2004, quando criaram a empresa. O primeiro produto que desenvolveram (um software para monitorar pacientes à distância) parecia ter tudo para dar certo. O protótipo foi um sucesso entre médicos e profissionais consultados. Lançaram no mercado e ficaram dois anos sem vender uma única cópia do aplicativo.

Leia mais sobre Empreendedorismo na Gazeta do Povo

Geração de “jovens chatos” muda forma das empresas se venderem

Para tratar alergia da filha, empresária criou empresa pioneira

O Milli foi o ponto de virada. A dupla percebeu que não era o software a alma do negócio. Mas a aplicação da tecnologia na humanização da medicina. Surgiu assim o aparelho; um oxímetro, que mede o nível no oxigênio do sangue (como qualquer outro), mas também tem acesso à internet, exibe e armazena os dados dos pacientes, e ainda tem uma câmera que permite participar de videoconferências (para os médicos) ou bate-papo com a família (para os usuários).

Foi nessa fase que a Positivo entrou em cena, em janeiro de 2016, e adquiriu 50% da Hi. Além do dinheiro, a empresa de informática entrou com toda a infraestrutura da rede de fornecedores, produção e assistência técnica. Mas toda a operação da startup, “mais estilo Vale do Silício”, permaneceu independente. Inclusive com uma fábrica em separado, na mesma Cidade Industrial de Curitiba (CIC) que abriga a Positivo Informática.

A empresa cresceu. O time, antes de 13 pessoas, hoje passa dos 40. Antes focada em engenheiros e designers, a Hi cada vez mais abriga profissionais da saúde e da medicina, conta Marcus Figueiredo, hoje CEO da empresa. Só no Brasil, o plantel de clientes passa das 100 instituições, em 22 estados. As exportações já chegaram a 15 países, de diferentes continentes.

Resiliência saltou aos olhos

“Há cinco anos a gente era uma empresa incubada. Hoje somos sócios da Positivo, que é listada na bolsa de valores!”. O próprio Marcus Figueiredo reconhece o salto da Hi, que encontrou um nicho no mercado, ao propor tecnologias inovadoras com foco na humanização da medicina.

Se a empresa sobreviveu, foi muito graças à resiliência de Marcus e seu sócio, Sérgio. A dupla abriu mão de construir uma carreira no mercado por acreditar que o negócio daria certo. “Eles estão há muito tempo nesse negócio, e têm potencial de criar um produto de tecnologia médica disruptiva no Brasil. É algo que não tem cópia no mundo. Não é só mais um negócio local que é uma cópia de algo internacional”, ressalta Marco Mazzonetto, coordenador da Endeavor no Paraná.

Foi esta obstinação que encantou os mentores da Endeavor do mundo todo, durante o International Selection Panel (ISP), entre 15 e 17 de março, no Rio de Janeiro. Dezoito empresas de dez países se apresentaram. Todas consideradas promissoras. Doze foram selecionadas para integrar o time de Empreendedores Endeavor.

É como uma validação. A Endeavor (que integra profissionais renomados a novos empreendedores no mundo todo) atesta que aquele negócio está no caminho certo, é inovador e pode causar alto impacto na sociedade.

Além de receber o selo de “Empreendedor Endeavor”, a empresa passa a ter direito a algumas regalias. Entre elas, a mentoria com profissionais do mundo todo, facilidade de acesso a linhas de financiamento e a parceria com talentos, de instituições de ensino de elite.

Além da Hi Technologies, os brasileiros da Brisanet (CE) e da Gesto Saúde (SP) foram selecionados no painel realizado no Rio de Janeiro. A Brisanet busca levar internet de alta tecnologia a algumas das regiões mais pobres e menos desenvolvidas do Brasil. Já a Gesto é pioneira no país no uso de Big Data na área de saúde privada.

Milli 2.0

Ao mesmo tempo em que consolidou suas vendas, a Hi aproveitou este último ano para novos ajustes em seu modelo de negócios. O Milli segue como carro-chefe. Mas o produto vendido pela empresa já não é um oxímetro hitech. E sim uma plataforma para aplicações médicas.

Traduzindo, é como se fosse um smartphone. O aparelho é um só. Mas o aplicativo que vai ser instalado depende da necessidade de cada paciente ou instituições. Um deles, por exemplo, permite fazer o teste do coraçãozinho em recém-nascidos. Outro acompanha todo o progresso do trabalho de parto.

Já o Milli Sleep, que monitora o sono do paciente, motivou a Hi a repensar inclusive sua forma de vendas. Um modelo de aluguel deve ser lançado ainda este ano, para pacientes que só precisam fazer testes pontuais (o que é comum nos casos de distúrbio do sono).

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE