i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
empreendedorismo

Cai número de investidores-anjo no país, mas volume destinado a startups cresce

Em 2016, a ONG Anjos do Brasil estima que R$ 851 milhões tenham sido aplicados por investidores em empresas de potencial inovador

  • PorFabiane Ziolla Menezes
  • 29/06/2017 19:50
Brasil precisa de uma política de estímulo ao investimento anjo. | Bigstock
Brasil precisa de uma política de estímulo ao investimento anjo.| Foto: Bigstock

A ONG Anjos do Brasil, dedicada a fomentar o investimento-anjo, aquele destinado a startups, divulgou sua pesquisa anual sobre investidores-anjo no país. Em sua quinta edição, o levantamento, que é feito por amostragem, a partir de entrevistas com investidores e projeções do volume investido, revelou que o total de aportes em 2016 foi de R$ 851 milhões, uma alta de 9% em relação a 2015. Ao mesmo tempo, o número de investidores-anjo responsáveis por esse total de aportes caiu, segundo a entidade, de 7.260 para 7.070.

Veja a série histórica do levantamento sobre investidores-anjo

Para a entidade, os motivos para o aumento do volume de investimentos estão ligados a quatro fatores. O primeiro deles é a própria natureza desses investimentos. Pelo seu alto grau de inovação, as startups não dependem da situação econômica para crescerem e se revelarem um bom negócio.

LEIA MAIS sobre startups e empreendedorismo

O fato de o investimento nesses casos ser de médio a longo prazo também explica o crescimento do volume, já que a expectativa de quem investe é de que, quando chegar a hora de sair do negócio, ou seja, vender a sua parte, a crise provavelmente já terá passado. 

Há ainda fatores conjunturais, como a disseminação do investimento anjo no Brasil e o retorno menor ou mesmo negativo das aplicações tradicionais, como bolsa de valores e o setor de imóveis.

Por outro lado, se a crise não influencia tanto no volume de investimentos, isso não se repete quando o assunto é quantidade de pessoas dispostas a apostar dos novos negócios.

LEIA TAMBÉM: Bill Gates curitibano? Conheça o investidor que toda startup quer como sócio

Segundo o presidente da Anjos do Brasil, Cassio Spina, a crise política e econômica pela qual o país passa agrava fatores estruturais como a falta de segurança jurídica e tende a gerar ainda mais dúvidas entre os investidores passivos, aqueles que são procurados mas que tendem a se proteger ou mesmo a investirem nos seus próprios negócios com receio do futuro.

“ E esses investidores são a maior parte do total. Por outro lado, os investidores ativos, ou seja, aqueles que buscam ativamente novos negócios para colocar dinheiro, estão investindo mais”, observa Spina. Isso fica claro quando a pesquisa foca no ticket médio investido. Em 2016, esse valor foi de R$ 120.300, 11% acima do ano anterior, o que também contribui para que o volume total de investimentos em startups tenha crescido.

Para Spina, é necessário que o Brasil adote logo uma política de estímulo a esses investidores, como já foi feito nos Estados Unidos e em países da Europa. Nestes países foram criados incentivos fiscais, como compensação de parte do investimento nos impostos devidos, bem como isenção de imposto sobre o ganho de capital. 

LEIA TAMBÉM: Cinco negócios para abrir com até R$ 15 mil no bolso

“E isso não significa renúncia fiscal. Uma pesquisa da Grant Thornton [consultoria] já mostrou que haveria aumento de arrecadação, de tributos federais. O capital aplicado em startups é [ ais tarde] em sua integralidade, através de impostos e contribuições sobre salários, aquisição de máquinas, equipamentos e contratação de serviços para os quais o investimento é utilizado, além dos impostos sobre o faturamento da empresa”. 

Já há um projeto de lei do Senado em tramitação, o 545/2016, que possibilita a compensação de parte do investimento no imposto de renda devido pelo investidor. Para que ele seja passível de ser aprovado, a Anjos do Brasil e outras entidades também esperam que a Receita Federal defina o que é o investimento-anjo dentro do âmbito da Lei Complementar 155/2016. 

Veja os principais dados do levantamento da Anjos do Brasil:
2011 2012 2013 2014 2015 2016
Volume investido R$ 450 milhões R$ 495 milhões R$ 619 milhões R$ 688 milhões R$ 784 milhões R$ 851 milhões
Investidores-anjo 5.300 6.300 6.450 7.060 7.260 7.070
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.