i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
na onda da Lava jato

Empresa vasculha a vida de devedores para provar que eles têm dinheiro

A Localize faturou R$ 5 milhões em 2016 investigando a vida de devedores para encontrar evidências de que eles têm dinheiro para pagar os débitos das empresas que possuem

    • Infomoney
    • 20/07/2017 17:23
    A empresa, que nasceu em 2007, conta com uma equipe formada por jornalistas, advogados e profissionais de TI. | Bigstock
    A empresa, que nasceu em 2007, conta com uma equipe formada por jornalistas, advogados e profissionais de TI.| Foto: Bigstock

    Lucas Gouvêa, Aldo Moscardini, Flávio Goeldner e Rafael Nogueira formam o quarteto de sócios da Localize, uma empresa especializada em recuperação de ativos. O país tem hoje mais de 5,1 milhões de empresas inadimplentes, segundo dados do Serasa Experian divulgados na última segunda-feira (17).

    Juntas, essas empresas têm dívidas que somam R$ 119,2 bilhões. Em meio à crise, porém, há quem tire vantagem disso. A Localize deve faturar R$ 6,5 milhões neste ano, 30% a mais do que os R$ 5 milhões de 2016.

    LEIA MAIS sobre finanças, carreira e empreendedorismo

    A empresa, que nasceu em 2007, conta com uma equipe formada por jornalistas, advogados e profissionais de TI. A startup presta serviços a clientes, investigando até mesmo a vida pessoal de empresários devedores para encontrar evidências de que eles têm bens como pessoa física para pagar as dívidas de sua pessoa jurídica. A ideia é recuperar ativos derivados de atividades ilícitas.

    Na prática, a equipe vasculha fotos das famílias em redes sociais, como Facebook e Instagram, além de procurar telefones e endereços cadastrados de empresas dos investigados e busca documentos em cartório. “Toda a nossa pesquisa é baseada em registros públicos, nada fora da lei”, garante Gouvêa, um dos fundadores e engenheiro civil de formação. “Como temos larga experiência no universo dos cartórios, pois crescemos nesse meio, sabemos onde e o que procurar”. 

    LEIA TAMBÉM: Ele perdeu tudo o que tinha 3 vezes e hoje fatura R$ 190 milhões

    Como é a investigação

    Para alcançar os resultados, a equipe usa inteligência artificial e técnicas de big data, que permitem cruzar dados e informações com mais assertividade. A empresa consegue remontar a história de tudo o que foi registrado, da abertura e registro de firmas, a escrituras e contratos, passando pelo rastreamento de dinheiro dentro e fora do país, identificação de fraudes, laranjas e empresas de fachada. 

    Segundo a empresa, as investigações levam em média 60 dias para serem concluídas, com preços que variam entre R$ 30 mil e R$ 50 mil entre os mais variados tipos de dívidas. Dessas, consegue uma média de cobertura de 53% em ativos livres. Um percentual considerável, uma vez que o Índice Nacional das Carteiras de Recuperação de Crédito é, em média, de 22%.

    Devido ao custo das investigações, o trabalho é recomendado para dívidas acima de R$ 3 milhões. Por isso, a carteira da empresa é composta por mais de uma centena de clientes, que no geral são bancos, gestoras e grandes empresas.

    LEIA TAMBÉM: Jovem de 16 anos fatura R$ 600 mil sozinho e quer inspirar mais novos

    O apoio de uma boa curadoria facilita o trabalho da equipe que cruza os dados captados nas redes sociais com os aferidos nos cartórios e elabora um relatório minucioso dos bens, com comprovação de origem, e orientações para que o cliente entre na justiça ou tente um acordo.

    O sucesso na onda da Lava Jato

    No ano passado, de R$ 6 bilhões em dívidas recebidas, a Localize encontrou R$ 7,2 bilhões, dos quais R$ 3,5 bilhões eram de fácil recuperação.Gouvêa afirma que as grandes dívidas do país passam pela Localize e que com a crise o mercado busca estratégias inovadoras e eficientes para a recuperação do crédito. Quando o contrato entra em inadimplência, os bancos recorrem aos serviços da empresa.

    Entre 2015 e 2016, no auge da Operação Lava Jato, a startup cresceu 300% em faturamento, segundo o empresário. Boa parte desse crescimento foi decorrente da investigação dos responsáveis pelas empresas envolvidas no escândalo, que tinham vultuosas quantias de dinheiro emprestadas pelos bancos. A expectativa para 2017 é crescer mais 30%.

    LEIA TAMBÉM: O que levar em conta antes de expandir o seu negócio

    O próximo passo, segundo os sócios, será atuar de forma mais incisiva no mercado de compra e venda de dívidas, com a criação de uma gestora de recuperação de grandes dívidas, além do lançamento de uma plataforma investigativa que permitirá trabalhar com um volume muito maior de informações, com milhares de casos por mês. “Hoje no Brasil somos únicos e trabalhamos com o objetivo de escalar nossos serviços”, afirma Gouvêa.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

      Fim dos comentários.