i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
FRANCHISING

Nem as franquias foram poupadas pela crise

Faturamento nominal atingiu R$ 139,593 bilhões em 2015, um aumento de 8,3% em relação a 2014

  • PorJéssica Sant’Ana
  • 29/01/2016 13:33
Setor de acessórios e calçados foi o que mais cresceu no ano passado. | Daniel Castellano / Gazeta do Povo
Setor de acessórios e calçados foi o que mais cresceu no ano passado.| Foto: Daniel Castellano / Gazeta do Povo

O setor de franquias sentiu os efeitos da crise e cresceu apenas 8,3% em 2015, valor abaixo da inflação acumulada no período – de 10,67% –, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (29) pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). A taxa de crescimento é a menor dos últimos quatro anos, o que demonstra a desaceleração do setor. Em 2012, por exemplo, o setor havia crescido 20,7%. Em 2013, a alta foi de 10,2% e, depois, caiu para somente um dígito em 2014, ao avançar 8,9%.

A ABF não divulga o faturamento ajustado à inflação. Em 2015, o faturamento nominal do setor atingiu R$ 139,593 bilhões ante os R$ 128,876 bilhões registrados no ano anterior. Apesar do valor bruto do faturamento ser superior, o crescimento de 2015 em termos percentuais foi inferior ao registrado em 2014.

Com relação ao número de novas unidades em funcionamento, houve um aumento de 10,1% em relação a 2014, ao atingir o total de 138.343 lojas em operação. Com o movimento de abertura e fechamento de pontos de venda ao longo de 2015, o saldo foi de 12.702 novas unidades franqueadas.

Em 2015, 131 novas marcas de diferentes segmentos iniciaram operações de franchising. Segundo dados apurados pela ABF, existem 3.073 marcas em operação no país, número superior em 4,5% ao registrado em 2014. Dessas, 95% são de origem nacional.

Capilaridade

Entre os destaques positivos do setor, está a maior capilaridade das redes, dentro e fora do país. De acordo com a pesquisa, a presença do franchising nos municípios brasileiros atingiu 40% no ano passado, ante a 37% em 2014. O crescimento do setor se deu de maneira mais acentuada nas regiões Nordeste e Centro-Oeste e chegou com maior intensidade a cidades com menos de 50 mil habitantes.

Os dados também mostram a busca pela internacionalização. No ano passado, 28 novas marcas iniciaram a atividade fora do Brasil, totalizando 134 redes com presença no exterior. O mercado mais procurado continua a ser os Estados Unidos, com 37 marcas, seguido de Paraguai (25), Portugal (21), Argentina (16) e México (13).

Segmentos

O segmento de acessórios pessoais e calçados foi o principal responsável por puxar o crescimento do setor de franquias em 2015. De acordo com a pesquisa, o segmento apresentou a maior variação de receita, crescendo 12,0% na comparação com 2014. Em segundo lugar vem a área de negócios, serviços e outros varejos, com 10,2% de expansão, seguido de hotelaria e turismo, com alta de 9%.

Empregos

Enquanto a construção civil e a indústria estão fechando postos de trabalho no país, o franchising abriu mais de 90 mil vagas em 2015, ao alcançar a marca de mais de 1,1 milhão de trabalhadores diretos. O valor representa um avanço de 8,5% em relação ao total de empregos gerados em 2014.

Previsão

Para 2016, a ABF prevê que o faturamento do setor cresça ainda menos que em 2015. A previsão é que o aumento fique entre 6% a 8%. Para o número de unidades, o crescimento não deve ultrapassar a casa dos 10% e, em número de marcas, 6%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.