i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ECONOMIA COLABORATIVA

Sem dinheiro em caixa, startup curitibana Fleety fecha as portas

Empresa de compartilhamento de carros estava no mercado desde 2014 e atuava nas cidades de Curitiba, Florianópolis, São Paulo e Rio de Janeiro

  • PorJéssica Sant’Ana
  • 05/01/2017 16:14
André Amorim (foto) é um dos três fundadores da Fleety | Pedro Serapio/Gazeta do Povo
André Amorim (foto) é um dos três fundadores da Fleety| Foto: Pedro Serapio/Gazeta do Povo

A startup curitibana Fleety, que atuava como uma plataforma de compartilhamento de veículos, fechou as portas no início deste ano. A empresa estava no mercado desde 2014 e atingiu a marca de mais de 500 mil horas de locação nas cidades de Curitiba, Florianópolis, São Paulo e Rio Janeiro. O anúncio foi feito na página oficial da empresa no Facebook na quarta-feira (4).

Leia mais sobre startups e empreendedorismo

Segundo o CEO e co-fundador do Fleety, André Marim, a empresa teve que encerrar as atividades porque não conseguiu fechar novos contratos para receber aportes financeiros e ficou sem caixa. “Em dezembro, concluímos que uma solução não seria possível e, com o caixa muito prejudicado, a melhor maneira encontrada foi encerrar as operações.”

Assim como toda startup, o Fleety dependia dos aportes financeiros recebidos para funcionar. É o chamado tempo de maturação do negócio, até que ele atinja o break-even (lucro final igual a zero) e passe a gerar lucro. Fora os aportes, a principal fonte de receita da empresa era a porcentagem de 20% cobrada sobre cada locação, o que é insuficiente para viabilizar sozinho a operação.

Marim não dá detalhes do motivo que levou a startup a não conseguir fechar novos contratos de investimento, apenas afirma que “motivos jurídicos levaram à impossibilidade de captação de recursos”. Ele também diz que havia fundos interessados em aportar no negócio, mas que os investidores exigiam que a empresa cumprisse alguns requisitos, o que não aconteceu. “Era quase inexequível”, resume o CEO.

Sharing Economy

Apesar de ter fechado as portas da sua empresa, Marim mantém o ânimo com o mercado de transportes no Brasil. “Eu acredito demais no mercado de transportes. É um mercado que já está sendo revolucionado, com muitas oportunidades. Queríamos e podíamos ter chegado mais longe”, afirma o empreendedor.

Ele completa que houve uma evolução muito grande da economia colaborativa no Brasil nos últimos quatro anos, quando começou a estudar e a atuar com o tema. “O que a gente viu é que houve uma revolução no comportamento do brasileiro. Somos um exemplo disso, com a locação de veículos, o que era impensável há quatro anos.”

A ideia

O Fleety começou a funcionar em Curitiba em setembro de 2014, com a proposta de aplicar o conceito de economia colaborativa ao uso de carros. A plataforma permitia que pessoas alugassem seus veículos por um curto espaço de tempo. Os locatários tinham liberdade para definir quando colocariam seus carros à disposição de outras pessoas. E eles passavam por um processo de cadastro e análise antes de entrar na plataforma.

Já os interessados em alugar precisavam se cadastrar na plataforma. Depois, encontravam a opção de veículo que mais lhe agradava, no dia e horário que precisavam, e fechavam a locação. O pagamento era feito através da própria plataforma e 80% do valor ia para os locatários e 20% ficava com a startup. Em geral, as pessoas locavam o carro para viagens curtas, eventos e passeios de fim de semana.

A startup fornecia seguro para o veículo durante o período de locação. Também realizava checagens periódicas de segurança e mantinha uma equipe de suporte 24 horas para atender os usuários.

Em fevereiro de 2015, os serviços chegaram a São Paulo e a startup foi uma das quatro empresas escolhidas para o segundo ciclo de aceleração da Abril Plug and Play, aceleradora de startups criada pelo Grupo Abril em parceria com a norte-americana Plug and Play Tech Center. Depois, chegou a Santa Catarina e ao Rio de Janeiro.

Além de Marim, Israel Lot e Clayton Guimarães fundaram a empresa. Eram 13 funcionários em dezembro de 2016.

Locação

Não é mais possível fazer novos pedidos de locação na plataforma. O site e o aplicativo foram tirados do ar e, no lugar, está uma mensagem anunciando o fim das operações da startup. As locações que já estavam programadas para até o dia 16 de janeiro serão feitas normalmente. As demais foram canceladas. Os locatários, que alugavam seus carros através da plataforma, receberão até o dia 9 de janeiro mais informações sobre pagamentos pendentes. A empresa deposita o valor da locação cerca de 40 dias após a prestação do serviço e muitos proprietários têm dinheiro para receber.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.