i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Intercâmbio

Startups brasileiras buscam maturidade no exterior

Organização criada para fazer a ponte entre o Brasil e o Vale do Silício avalia mercado brasileiro e comemora primeiros resultados

  • PorAnna Paula Franco
  • 24/09/2014 21:22
André Monteiro e Bedy Yang, da Brazil Innovators: estímulo para fazer o empreende­dorismo digital crescer | WBrunno Covello/ Gazeta do Povo
André Monteiro e Bedy Yang, da Brazil Innovators: estímulo para fazer o empreende­dorismo digital crescer| Foto: WBrunno Covello/ Gazeta do Povo

Agenda

Curitiba terá encontros trimestrais para capacitar empreendedores

Bedy Yang e André Monteiro, do Brazil Innovators, estiveram em Curitiba para a primeira edição do BRNewTech na capital, realizado no Grupo Opet na última terça-feira. O evento faz parte da programação de capacitação, networking e difusão de cultura empreendedora que a Brazil Innovators se propõe a fomentar.

Os encontros são realizados mensalmente, em São Paulo, e agora vão cumprir agenda trimestral em Curitiba, com participação aberta à comunidade, além dos alunos da instituição. "Esse tipo de atividade, de estímulo ao empreendedorismo, está muito alinhada à proposta do Grupo Opet, que sempre trabalhou na formação para o mercado de trabalho", explica a gerente de marketing do grupo, Dani Moro.

Vale acompanhar a agenda no site da Opet (www.opet.com.br/pos-graduacao) ou no da Brazil Innovators (www.brazilinnovators.com).

Investimento

Além de dinheiro, viagem traz experiência de grande valor

Conquistar o investidor é importante, mas o empreendedor que vai até o Vale do Silício acumula também uma experiência de grande valor. A Brazil Innovators acompanha quem começa a retornar para reinvestir em novas startups ou quer atuar como investidor-anjo, com uma expertise fundamental para dar mentoria aos iniciantes, munidos da bagagem de quem já passou por todos os processos.

Na avaliação dos dirigentes, a transferência da cultura empreendedora é importante para estimular novos negócios em um mercado com muito potencial de crescimento. "O Brasil está amadurecendo em diferentes aspectos, com maior penetração da internet e crescimento do consumo em todos os segmentos. E ainda há poucas empresas que podem atender a essas demandas crescentes", diz Bedy Yang.

Nesta fase de ajuste de mercado, ela vê boas perspectivas de crescimento do empreendedorismo brasileiro, descartando a ameaça de uma bolha. "Se houvesse a bolha, eu teria a sensação que devia ter investido menos nas 25 empresas que apostei aqui. A minha avaliação é de que eu deveria ter colocado mais dinheiro em cada uma delas", diz.

O momento não poderia ter sido mais adequado. Para sair da crise em 2009, o mercado americano buscava oportunidades de investimento fora do país. E o Brasil estava na mira. "Entre os Brics [Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], tínhamos a melhor perspectiva para atrair novos negócios. Mas faltava relevância no nosso empreendedorismo digital, apesar de termos um grande talento na área. E foi nesse canal que apostamos", explica a fundadora da Brazil Innovators, Bedy Yang.

A organização faz a ponte entre os empreendedores brasileiros e o ambiente de inovação do Vale do Silício, na Califórnia. Por meio de programas de capacitação, eventos e missões de negócios, a Brazil Innovators avalia os resultados positivos alcançados em cinco anos de atividade. "Em um período relativamente curto, estamos contribuindo para o amadurecimento do empreendedor local, desde a comunicação dele com investidores até o crescimento como negócio", explica o CEO André Monteiro.

Entre as ações está o TechMission, que promove a imersão de empreendedores selecionados após uma intensa capacitação para conhecer o Vale do Silício e buscar investidores lá fora. Já foram realizadas quatro missões. No balanço das três primeiras, 80% das empresas participantes receberam alguma fatia dos R$ 36 milhões captados em investimentos. Além de alavancar seus próprios negócios, os empreendedores tornam-se fellows (companheiros), que estabelecem uma relação de longo prazo com a organização, comprometendo-se a reproduzir e replicar aqui no Brasil as experiências que viveram no Vale do Silício. "Essa disseminação da cultura é o principal objetivo do trabalho da Brasil Innovators. O mais importante é que o Brasil consiga criar seu próprio ambiente de inovação, daqui pra frente", avalia Bedy.

Desafios

Os bons resultados alcançados até agora não diminuem o desafio que ainda há pela frente para estabelecer o nível adequado de maturidade no segmento. Para Monteiro, é preciso instigar ainda mais o investidor brasileiro, que começa a tomar conhecimento do modelo de negócio inovador que as startups propõem, mas ainda tem pouco apetite ao risco. "Aqui, primeiro a empresa precisa demonstrar rentabilidade para conseguir recursos. No Vale do Silício, a aposta é mais agressiva. Investe-se para ver como a empresa roda, e tudo é avaliado ao mesmo tempo, do negócio ao perfil do empreendedor", diz.

Outra questão importante é alinhar as expectativas. O crescimento das startups em todo o mundo pode criar a ideia de que o modelo de negócio é infalível. "Quase todos os empreendedores de sucesso quebraram muitas vezes antes de acertar", diz Monteiro. Em média, 25% das 800 empresas que os fundos de investimentos de que Bedy participa registram algum sucesso. E dessas, só um quarto tem desempenho excepcional.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.