i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
INovação

Você-fiscal: aplicativo permite “dedurar” infração de trânsito com foto e vídeo

Aplicativo Capester chega ao Brasil em uma parceria com a prefeitura de Porto Alegre

    • Da redação, com Estadão Conteúdo
    • 25/04/2017 10:52
    Aplicativo permite denunciar infração cometida por outros motoristas | Albari Rosa/Gazeta do Povo
    Aplicativo permite denunciar infração cometida por outros motoristas| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

    O aplicativo Capester, que permite a qualquer cidadão enviar “dedurar” infrações de trânsito aos órgãos fiscalizadores, é uma das apostas tecnológicas da prefeitura de Porto Alegre para tentar disciplinar os motoristas. O app foi fundado pelo empreendedor israelense Ohad Maislish, e já opera em 11 cidades, em países como Israel, Colômbia e Polônia. Além da capital gaúcha, a empresa quer expandir suas atuações no Brasil e operar em São Paulo e no Rio de Janeiro, em breve.

    Franqueado ou franqueador? Saiba qual o seu perfil de negócio

    Funciona assim: qualquer pessoa que tenha o aplicativo instalado pode subir vídeos ou fotos no sistema. Não há necessidade de registro e o envio é anônimo, para evitar temores de possíveis retaliações. O próprio app identifica se há, realmente, descumprimento de alguma norma de trânsito e se certifica de que o condutor e o automóvel estão registrados na cidade. O conteúdo então é encaminhado para a fiscalização da prefeitura.

    App propagada ideia de que todo cidadão pode ser um heróiCapester/Divulgação

    “Primeiro, os vídeos passam por uma ferramenta de inteligência artificial que filtra tudo. Trabalhamos apenas com o material comprovadamente de denúncia”, explica o assessor técnico da Empresa Pública de Transportes e Circulação (EPTC) Augusto Langer, responsável pela implementação do Capester na cidade.

    Se confirmada a infração, uma notificação é enviada ao motorista - mas sem multa, apenas em caráter educativo.

    Startup que vende alimentos quase vencidos com desconto chega ao Brasil

    Funcionou com o corretor de imóveis Paulo Roberto Prange, que estacionou em local indevido. Ele foi flagrado, recebeu carta em casa e garante que não repetirá a conduta. “Se fosse uma multa, eu pagaria e esqueceria. Mas essa forma me tocou.”

    Gaúchos aderem

    Em um mês, a EPTC recebeu em Porto Alegre quase 500 denúncias e enviou 86 cartas de notificação a motoristas infratores flagrados.

    Conheça as scale-ups, as irmãs mais velhas das startups

    O contrato experimental com a prefeitura de Porto Alegre, de 90 dias, é gratuito. Três servidores públicos analisam as infrações - os dados são de acesso exclusivo do poder público -, e a empresa é responsável pela impressão e pelo envio das cartas.

    Expansão

    Animada com o êxito do aplicativo na cidade, a empresa desenvolvedora, de Israel, planeja expandir os serviços em conjunto com as duas principais administrações municipais do sudeste brasileiro.

    “Temos recursos limitados e estamos buscando parcerias em cidades onde possamos ter grande impacto. Já estamos conversando para levar o app para o Rio de Janeiro e para São Paulo”, diz o diretor executivo da Capester, Omar H. Téllez.

    Leia mais sobre Empreendedorismo na Gazeta do Povo

    O fundador do aplicativo, Ohad Maislish, começou a programador no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Microsoft em Haifa com apenas 17 anos, e foi tocando em paralelo o projeto do Capester, segundo relato do portal de notícias Israel 21C. Em 2014 dois fundos aplicaram capital semente na empresa, que levou 18 meses para sair do papel.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.