Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Ministério do Trabalho, revelam que houve o fechamento de 101 mil postos de emprego com carteira assinada no mês de janeiro em todo país. O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, confirmou que este é o pior mês de janeiro da história. Apenas os estados do Sul e do Centro-Oeste apresentaram resultados positivos. No Paraná foram abertas 1.592 novas vagas (movimentação acima do que já existia de empregos no estado). A indústria foi o setor econômico que mais fechou postos de trabalho no país. O número de demissões superou em 55.130 a quantidade de contratados. O comércio não ficou muito atrás, com redução de 50.781 postos de trabalho em todo o Brasil. Em janeiro de 2008, a indústria apresentou movimento inverso. Naquele mês foram abertas 59 mil vagas. No comércio também houve cortes, mas em quantidade bem inferior a deste ano, 14 mil postos fechados. Essa é a primeira vez, na série histórica revisada do Caged, que tem início em maio de 1999, que o emprego formal tem queda no mês de janeiro. Em janeiro de 2008, por exemplo, foram criadas 142 mil vagas de emprego com carteira assinada, contra 105 mil em janeiro de 2007 e 86,6 mil vagas abertas no mesmo mês de 2006.

O anúncio de que houve perda de empregos no mês de janeiro acontece em meio à crise financeira internacional, que tem diminuído a demanda por produtos e serviços não somente no Brasil, mas também em outros países. Várias economias, como a Zona do Euro, Alemanha e Japão, já entraram em recessão.

Também acontece após o registro, em dezembro, da perda de 654 mil postos de trabalho formais, o pior resultado da série histórica do Caged.

"O comportamento desfavorável do emprego em janeiro, além de refletir a influência de fatores sazonais (principalmente o ensino e o comércio), assinala a continuidade dos desdobramentos da crise internacional, porém apontando certa reação em alguns setores de atividade econômica decorrente de medidas tomadas pelo governo", informou o Ministério do Trabalho.

Paraná

No estado, o setor que mais gerou empregos formais foi o de serviço, com 2.020 novos contratados. Em segundo lugar aparece a construção civil, que abriu 1.631 postos de trabalho. No entanto, foram cortadas 554 vagas na indústria, 912 no comércio e 945 no setor agropecuário.

O saldo final de todos os setores juntos foi positivo. O Paraná criou em janeiro 1.592 vagas. Apesar do bom resultado, o ritmo de geração de empregos no estado sofre uma forte desaceleração. Em janeiro de 2008 foram abertos 12.317 novos postos, quase oito vezes mais que os deste ano.

Curitiba

Na capital paranaense foram gerados 990 empregos formais no mês passado. O setor de serviços abriu 862 novos postos, enquanto o comércio fechou 291 vagas. O ritmo de novas contratações também foi bem menor que o mesmo período de 2008. No primeiro mês do ano passado foram abertas 3.799 vagas, quase quatro vezes mais que em 2009. O destaque na época foi o setor da construção civil que criou 1.444 vagas e a indústria que gerou 1.260 novos postos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]