i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Setor madeireiro

Empresa do Paraná produzirá painéis de madeira no Uruguai

Berneck dobra de tamanho com duas fábricas no Brasil e internacionalização

  • PorCristina Rios
  • 06/11/2007 19:10

A Berneck S.A., fabricante paranaense de painéis de madeira, que está investindo R$ 730 milhões na construção de duas novas fábricas no Paraná e Santa Catarina, planeja dobrar de tamanho até 2009 e já estuda um projeto de internacionalização, com a construção da sua primeira fábrica fora do Brasil, provavelmente no Uruguai, diz Gílson Berneck, presidente da empresa.

"Com a escassez de terras para expansão de áreas florestais no Brasil, os novos projetos industriais do setor terão que ser fora do país", afirma. Segundo ele, os volumes e os investimentos no país vizinho ainda não estão definidos, mas a idéia é aproveitar a oferta florestal para a produção local de painéis e exportá-los para o Brasil. O Uruguai possui 1,2 milhão de hectares de reflorestamento e não tem nenhuma fábrica de painéis.

"A indústria terá que direcionar seus investimentos para regiões onde há florestas", diz ele, ao citar o valor de R$ 580 milhões que a Berneck vai aplicar em Santa Catarina.

Novas linhas

A fábrica de Curitibanos, no meio-oeste catarinense, que deve ficar pronta em 2009, vai produzir inicialmente 75 mil metros cúbicos por mês de MDP (Medium Density Particleboard) e 45 mil metros cúbicos de madeira serrada. Essas duas linhas devem custar R$ 400 milhões. Uma terceira linha de produção, de Medium Density Fiberboard (MDF), deve ser instalada na seqüência, com recursos de mais R$ 180 milhões, segundo Berneck. Na primeira etapa serão gerados 350 empregos. "O que definiu nossa ida para outro estado foi o fato de não termos floresta no Paraná. E, pelos custos do frete, ficaria inviável executar esse projeto industrial aqui e trazer madeira do estado vizinho." De acordo com ele, "os incentivos fiscais são semelhantes nos dois estados", e no Paraná a empresa se enquadrou ao programa Bom Emprego, que posterga o pagamento de ICMS.

A Berneck está finalizando um aporte de R$ 330 milhões em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, onde também funciona a sede da empresa, com a construção de uma nova linha de madeira serrada, capaz de produzir 300 mil metros cúbicos por ano; uma de melamina, de 180 mil metros cúbicos por ano; e outra de MDF, com potencial para fazer 340 mil metros cúbicos por ano, que deve entrar em operação entre abril e maio de 2008. O número de funcionários deve crescer de 1,1 mil para 1,35 mil.

O projeto marca a entrada da Berneck no mercado de MDF, disputado ainda por empresas como Tafisa, Masisa, Duratex e Arauco. As vendas do painel de MDF, que começou a ser produzido no Brasil em 1997, vêm crescendo no embalo da indústria de móveis, que absorve mais de 80% da produção no Brasil. A previsão da Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) é de que o setor de móveis crescerá 10% em 2007.

Expansão

Para esse ano, a Berneck espera um crescimento de 15% nos negócios, o que deve fazer a receita atingir R$ 400 milhões. Fundada em 1952, a empresa é controlada hoje pela segunda geração da família fundadora, que começou o negócio com a produção de compensados, linha que perdeu espaço com a entrada no setor de aglomerados.

A empresa chegou a ter como sócio o Banco Bozano Simonsen, que em 1992 adquiriu 20%, mas vendeu sua participação em 2004.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.