i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mercado

Empresas têm maior inadimplência no semestre desde 2009

Comparando os primeiros seis meses de 2012 com igual período de 2011, o indicador de inadimplência de pessoas jurídicas aumentou 16,5%

  • PorAgência Estado
  • 30/07/2012 07:12

A inadimplência das empresas recuou 5,7% em junho ante maio deste ano, mas a alta no acumulado do primeiro semestre é a maior para o período desde 2009. Comparando os primeiros seis meses de 2012 com igual período de 2011, o indicador de inadimplência de pessoas jurídicas aumentou 16,5%. No acumulado do semestre em 2009, a alta registrada havia sido de 35,8%. Na comparação de junho de 2012 com igual mês de 2011, a alta foi de 11,4%. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira pela Serasa Experian.

De acordo com avaliação da empresa, grande parte dos negócios de médio e pequeno portes trabalha com varejo e setor de serviços e depende do comportamento dos consumidores. Assim, uma melhora no índice de inadimplência do consumidor pode ter consequência rápida no indicador das empresas, o que explicaria o recuo na comparação mensal. Além disso, a Serasa Experian ressalta que a base de comparação de maio era bastante elevada (com alta de 9 4%) e junho teve menor quantidade de dias úteis.

Entre as razões apontadas para o resultado do semestre, estão a baixa atividade econômica registrada no ano, as taxas de inadimplência do consumidor e de empresas clientes, a dificuldade para exportar e a maior seletividade na concessão de linhas de crédito. Os economistas da empresa avaliam que o cenário deve melhorar gradualmente, com a expectativa de recuperação da atividade nacional a partir do último trimestre deste ano.

No primeiro semestre do ano, a inadimplência nas dívidas bancárias cresceu 23,9% ante igual período do ano passado. Na sequência, os protestos aumentaram 19%, seguidos por dívidas não bancárias (18,9%) e cheques devolvidos por falta de fundos (3 7%). As dívidas não bancárias contribuíram, sozinhas, com 6,1 pontos porcentuais para o aumento do indicador geral das empresas.

O valor médio das dívidas não bancárias no primeiro semestre do ano aumentou 4,3% ante igual período de 2011. Entre as dívidas não bancárias, são considerados os pagamentos a fornecedores, cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços. As dívidas com banco tiveram valor médio de R$ 5.293 25, aumento de 5,5% na comparação com igual período de 2011.

A alta no valor médio dos títulos protestados foi a maior entre os vários tipos de dívida e chegou a 10,9% no primeiro semestre deste ano, com média de R$ 1.932,23. Cheques sem fundos tiveram aumento de 6,7% no valor médio ante o mesmo período de 2011, chegando a R$ 2.203,03.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.