i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
zona do euro

Espanha corta gastos e pensa em privatizar

  • PorFolhapress
  • 01/12/2010 21:22
Zapatero quer mostrar que Espanha não precisa de ajuda externa | Georges Gobet/AFP
Zapatero quer mostrar que Espanha não precisa de ajuda externa| Foto: Georges Gobet/AFP

Para enfrentar a crise que ronda a Espanha, o primeiro-ministro, José Luis Rodríguez Zapa­tero, anunciou ontem um pacote de medidas que inclui a eliminação do subsídio por desemprego e a ajuda às pequenas e médias empresas. Além disso, o governo espanhol também planeja privatizar parte dos aeroportos e a loteria do país.

Para equilibrar o Orçamento, uma das opções do governo espanhol foi o corte de gastos envolvidos em programas sociais. O subsídio mínimo por desemprego (de 426 euros mensais) aprovado durante a crise para aqueles que esgotaram a possibilidade de receber o seguro-desemprego – que tem duração máxima de dois anos – não estará mais em vigor, segundo Zapatero. Atualmente, a Espanha registra índice de desemprego de quase 20%, o maior da zona do euro.

Para estimular a atividade econômica, o premiê socialista também anunciou reduções de impostos para as pequenas e médias empresas, assim como a ampliação do conceito de pequena empresa, o que deve beneficiar 40 mil companhias.

Já com o objetivo de aumentar o caixa, o governo procura investidores interessados nos aeroportos e no serviço de loterias do país. A privatização aeroportuária pode render até 30 bilhões de euros aos cofres pú­­bli­cos. A proposta do governo é que empresas privadas possam ter participação de até 49% na receita dos aeroportos. As em­­presas espanholas Ferrovial e o grupo de construção FCC já mostraram interesse pelo negócio.

O corte de gastos e o aumento no caixa têm como objetivo mostrar que o país está economicamente saudável e não precisa receber ajuda financeira da União Europeia e do FMI, como recentemente aconteceu com a Irlanda e com a Grécia. No en­­tan­­to, os indicadores não de­­monstram tanta força. O PIB manteve-se estável no terceiro trimestre, após dois períodos de fraco crescimento, e o déficit público continua alto.

A dúvida sobre a solvência espanhola pode começar a se dissipar com o lançamento de títulos públicos no mercado. A demanda pelos papéis pode ajudar a dimensionar o nível de confiança dos investidores nas finanças públicas espanholas, e a emissão é considerada um teste-chave. Na semana passada, a ministra da Economia, Elena Salgado, disse que espera fazer até o fim do ano mais três ofertas de títulos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.