i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Rodovias

"Está faltando caminhão no Brasil", diz presidente da Scania no país

Para a companhia, venda de caminhões no país pode subir em 2011. Segmento deve fechar o ano com 140 mil unidades emplacadas

  • PorReuters
  • 15/09/2010 15:13
Scania quer ampliar atuação no país. | Divulgação
Scania quer ampliar atuação no país.| Foto: Divulgação

A sueca Scania prevê que as vendas de caminhões pela indústria brasileira em 2011 fiquem estáveis ou um pouco acima das 140 mil unidades previstas em 2010. A empresa dedica atenção especial aos caminhões para o transporte de minério e oferta de serviços para os veículos que vende no país.

"O mercado brasileiro no próximo ano deve ficar estável ou ligeiramente acima das vendas deste ano. Está faltando caminhão no Brasil", afirmou o presidente da operação brasileira da Scania, Christopher Podgorski, nesta quarta-feira (15), após encontro com analistas em São Bernardo do Campo.

"O crescimento que o setor está registrando nos últimos dois anos ocorreu mais por ampliação que renovação de frota. Acreditamos que, por isso, para o ano que vem teremos antecipações de compras no primeiro semestre", acrescentou.

Segundo Podgorski, além dos próprios incentivos do governo, as vendas de caminhões no Brasil estão sendo impulsionadas pelos altos investimentos em infraestrutura e pela expansão de setores como mineração, açúcar e álcool e celulose.

"A maioria dos segmentos onde a Scania comercializa estão mostrando força. O governo está tomando as medidas certas para manter a atividade econômica e o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) está mais maduro e apresentando os primeiros resultados", disse o executivo.

"Além disso, os eventos esportivos (Copa Fifa de 2014 e Olimpíadas de 2016) vão gerar mais investimentos em transporte e logística."

No país, a Scania está mais dedicada aos modelos pesados, com capacidade para cerca de 50 toneladas. No entanto, também busca agora outros segmentos, como o de semipesados, onde as marcas mais fortes são Mercedes-Benz e MAN.

"Queremos entrar em outros segmentos como forma de proteção. Mas não estamos buscando volumes e participação de mercado apenas. Queremos um equilíbrio com a lucratividade", disse o executivo, sem detalhar datas.

A companhia vendeu no primeiro semestre um recorde de 7.587 caminhões no Brasil e espera um segundo semestre no mesmo nível de desempenho.

Considerando as vendas de janeiro a agosto, a Scania comercializou 9.826 unidades no país, um crescimento de 127% sobre o fraco período de um ano antes. No geral, a indústria vendeu no país 98.921 mil caminhões nos oito primeiros meses do ano, de semileves a pesados, expansão anual de 55%.

Mineração

A Scania, presente no Brasil desde a década dos anos 1960, está apostando na oferta de um pacote completo aos clientes, incluindo serviços como assistência técnica e financiamento.

A companhia iniciou recentemente operação de seu banco para financiar veículos que custam centenas de milhares de reais em um momento em que a proporção de vendas da América Latina no total da companhia superou o percentual registrado na Europa Ocidental.

No primeiro semestre, 33% das vendas da empresa ocorreram na América Latina, enquanto 31% na Europa. Historicamente, a média latino-americana é de 15%.

Diante das fortes perspectivas de crescimento da América Latina e da indústria de matérias-primas, a Scania se concnetra em veículos para o transporte de minério, onde o uso intensivo de seus caminhões abre espaço para oferta de serviços.

Um dos maiores clientes da montadora é a Vale, a quem vendeu nos últimos três anos cerca de 1 mil caminhões, disse Podgorski, acrescentando que o setor de mineração contribui com 16% das vendas em volume da Scania no Brasil.

"As margens de mineração são semelhantes às dos caminhões de longo percurso, mas quando se inclui consumo de peças durante o ciclo de vida, os números podem ser multiplicados por três", afirmou.

No Brasil, a Scania tem uma capacidade de produção de 22 mil veículos por ano que pode ser ampliada para 30 mil sem grandes investimentos, disseram representantes da empresa.

Atualmente, a montadora também faz testes de comercialização de ônibus urbanos articulados movidos a etanol, mas os executivos não comentaram quando uma venda em massa do produto poderia começar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.