Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Amanda Rossi foi encontrada morta dentro do campus da Unopar | Roberto Custódio/JL
Amanda Rossi foi encontrada morta dentro do campus da Unopar| Foto: Roberto Custódio/JL

Apesar dos investimentos na área de papel, o Paraná ficou de fora dos bilionários aportes na área de celulose que deverão somar perto de R$ 10 bilhões, capitaneados por gigantes como Stora Enso, Votorantim Papel e Celulose (VCP) e Aracruz. "A pouca oferta florestal e o elevado preço das terras deixaram o Paraná fora da rota da celulose", diz Marco Tuoto, consultor da STCP Engenharia de Projetos, especializada no setor florestal. Os novos projetos estão sendo erguidos principalmente no Rio Grande do Sul e na Bahia, mas estados como Piauí e Mato Grosso do Sul também despontam como possíveis alvos de projetos nos próximos anos.

A produção de celulose no estado – 831,8 mil em 2006 – corresponde a 7,79% da produção nacional e é usada na maior parte pelas próprias fábricas de papel instaladas no Paraná, que trabalham de forma integrada, segundo Odair Ceschin, presidente do Sindicato das Indústrias de Papel e Celulose do Paraná (Sinpacel).

Brasil

Com a combinação de tecnologia, melhoria genética e oferta barata de florestas e mão-de-obra, o Brasil se tornou, nos últimos anos, uma grande estrela mundial na área de celulose branqueada de fibra curta. Primeira no ranking global desse tipo de produto, o país é imbatível em custos de produção: US$ 250 por tonelada, contra US$ 320 por tonelada no Chile, US$ 390 por tonelada na Finlândia e US$ 425 por tonelada no Canadá. Esse diferencial, somado ao aumento dos preços internacionais da celulose no mercado – que subiram de US$ 480 em 2003 para US$ 800 em 2007 –, trouxeram novos projetos para o Brasil.

O setor de papel e celulose tem programado um investimento total de US$ 14,4 bilhões no período de 2003-2012, de acordo com a Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa).

Segundo a entidade, a produção brasileira de celulose alcançou 11,2 milhões de toneladas e a de papel, 8,7 milhões de toneladas em 2006, registrando um crescimento sobre 2005 de 8% e 1,5%, respectivamente.

Segundo a Bracelpa, o resultado da produção de celulose, em 2006, levou o Brasil a passar da sétima para a sexta posição no ranking de produção mundial, ultrapassando o Japão. Para 2007, a expectativa para o segmento é de um aumento de 5,5% na produção de celulose e de 2,8% na de papel. A previsão é atingir US$ 4,55 bilhões em exportações, com expansão de 13,6% sobre os US$ 4 bilhões apurados em 2006. (CR)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]