i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Riquezas

Estudo propõe inclusão de camas e do Google para medir o PIB

Pesquisa questiona método que avalia a atividade econômica

    • VARSÓVIA
    • Agência O Globo
    • 26/08/2016 22:00
    Contribuição do Google para as economias locais não é capturada nas medições do PIB. | Stephen Brashear/AFP
    Contribuição do Google para as economias locais não é capturada nas medições do PIB.| Foto: Stephen Brashear/AFP

    Para se ter uma ideia dos problemas do indicador padrão de crescimento econômico, veja o exemplo das camas. Ou o da mídia. As camas respondem por uma minúscula parcela do Produto Interno Bruto (PIB), embora o ato de dormir seja extremamente útil para os consumidores, segundo estudo acadêmico apresentado em uma conferência nesta semana, em Dresden, na Alemanha. Os autores usaram o exemplo para ilustrar sua pesquisa sobre os meios de comunicação on-line e gratuitos e seu impacto, ou a falta dele, nos números oficiais do PIB.

    A abrangente conferência organizada pelo departamento de estatísticas da Alemanha ressalta algumas das fragilidades do secular indicador de bem-estar econômico, que sem dúvida reforça o argumento a favor da busca por métodos melhores. Outro estudo observa divergências entre o PIB per capita e a mediana da renda familiar — uma forma de medir a desigualdade — e conclui que atualmente não existe uma alternativa clara para avaliar tendências nos padrões de vida.

    Tome como exemplo o Facebook ou o Google. Esses e outros serviços on-line oferecem informação e entretenimento a centenas de milhões de pessoas. Contudo, como são gratuitos, sua contribuição para a economia não é, atualmente, capturada pelas contas nacionais.

    Números

    Pontuando que alguns economistas acreditam que o crescimento do PIB é “bastante subestimado” pela não inclusão da mídia gratuita, Leonard Nakamura, do Federal Reserve da Filadélfia, e Jon Samuels e Rachel Soloveichik, do Escritório de Análises Econômicas dos EUA, tentaram chegar a um número.

    A inclusão das mídias gratuitas teria ampliado a produção real nos EUA entre 1998 e 2012 em apenas 0,009% ao ano. Contudo, os pesquisadores também fizeram uma ressalva fundamental: PIB não é sinônimo de utilidade.

    Não existe método ideal para medir prosperidade, dizem especialistas

    Outro estudo apresentado na conferência, por Brian Nolan, Max Roser e Stefan Thewissen, do Institute for New Economic Thinking, analisa o PIB per capita. O indicador superou a renda familiar mediana nas últimas décadas em muitos países desenvolvidos, particularmente nos EUA. Segundo os autores, isso gerou pedidos para que a renda da família “típica” recebesse mais atenção na avaliação de tendências do bem-estar econômico.

    Após analisar dados de 27 países, eles descobriram que, na verdade, o encolhimento do tamanho das famílias muitas vezes contribuiu mais para a divergência do que a desigualdade de renda. Eles concluíram, afinal, que atualmente não existe um único método ideal para avaliar a prosperidade de um país.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.