i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Finanças pessoais

Comprar algo caro pode ser a melhor coisa para o seu bolso

É tudo uma questão de valor, e isso é algo bastante subjetivo. Entenda

  • PorFabiane Ziolla Menezes
  • 29/06/2017 10:02
Comprar algo caro pode ser a melhor coisa para o seu bolso. É tudo uma questão de valor, e isso é algo bastante subjetivo. | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Comprar algo caro pode ser a melhor coisa para o seu bolso. É tudo uma questão de valor, e isso é algo bastante subjetivo.| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Qual foi a melhor compra da sua vida? Já parou para pensar nisso? A resposta pode não estar na simples relação custo-benefício que deveria guiar o consumo, mas no valor que você dá para o produto ou serviço em questão e também nas experiências que você já viveu com ele. No fim das contas, comprar algo caro, mas que seja algo que você acredita ser de qualidade e que provavelmente você usará por muito tempo pode ser a melhor escolha financeira para o seu bolso.

LEIA MAIS sobre finanças, carreira e empreendedorismo

Nas reportagens de Livre Iniciativa sobre finanças pessoais costumamos falar muito de planejamento financeiro, de pensar de olho no futuro, inclusive na aposentadoria, de uma forma bastante racional. Mas a verdade, pura e simples, é que ninguém faz escolhas de forma racional assim. 

No meu caso, minha última melhor compra (sempre haverá outras) foi a minha mochila. Tudo bem que, na prática, eu ganhei ela de presente do meu marido e da minha sogra, mas participei da escolha e hoje, cinco meses depois, ainda estou no que alguns economistas comportamentais e consultores de marketing chamam de “lua de mel com produto”. 

LEIA TAMBÉM: 8 erros que impedem você de alcançar seu primeiro milhão

Ela custou muito mais que outras mochilas que já tive na vida – R$ 500 –, mas tem o tamanho certo para carregar tudo de que preciso , não sofre com o tempo chuvoso de Curitiba e tem sido uma boa companheira nessa maratona que é fazer mestrado e trabalhar ao mesmo tempo. 

O que faz dela uma boa compra? Bom, ela é bonita (sim, beleza sempre fará parte de algo que você valoriza), resistente, cheia de bolsinhos e porta-trecos que facilitam a minha vida e foi elogiada por alguns colegas de mestrado. Análise boba essa? Não. 

LEIA TAMBÉM: Pessoas de 30 anos bem-sucedidas com o dinheiro têm essas cinco atitudes

Flávia Ávila, fundadora do InBehaviour Lab e coordenadora do MBA em Economia Comportamental da ESPM, explica que o valor das coisas é subjetivo mesmo e sempre parte de referências. 

“Nossas decisões sobre o valor das coisas parte de um ponto de referência, não exatamente do preço daquela coisa. E se o bem material em questão também gerou boas experiências ele tende a ficar gravado na nossa lembrança como algo que deu muito certo (...) Se você se convencer, então, de que a sua escolha foi melhor que a de outras pessoas que compraram coisas semelhantes [caso dos elogios recebidos por esta repórter em relação a sua mochila], aí a pessoa ficará convencida de que fez algo muito certo”, explica Flávia. 

O “eu da experiência” e o “eu da lembrança”

Daniel Kanheman, teórico que combina a economia com a ciência cognitiva e é considerado o pai da economia comportamental, relaciona diretamente as experiências que vivemos com a busca da felicidade, levando em conta toda a complexidade que essa palavra traz consigo. 

OUÇA o podcast Vida Financeira #05: Tudo o que você precisa saber para investir no Tesouro

Basicamente, ele explica que há dois “eus” em cada um de nós. O “eu da experiência”, que vivencia as situações, está no presente e é capaz de se relacionar do passado mas de maneira quase automática – ou, como diz Kanheman, é aquele responde o médico quando ele pergunta onde dói. 

E há o “eu da lembrança”, que é aquele que registra as experiências e tenta manter o curso da vida, mas que demora um tantinho mais para responder o médico quando ele pergunta “como você anda se sentindo ultimamente?” 

Em outras palavras, Kanheman fala de como a experiência e a memória se relacionam na medida em que a qualidade subjetiva que damos ao primeiro aspecto determinará se a situação ficará marcada ou não no segundo. Quando o assunto é consumo, isto está relacionado ao objeto consumido. 

LEIA TAMBÉM:  Onde investir hoje, segundo o gestor de fundos mais respeitado do mercado

Se com ele a pessoa viveu boas experiências, qualquer preço pago pelo produto terá valido a pena. “E normalmente quando o produto é mais caro que os similares, a tendência natural é a de darmos mais valor a ele, aumentando as nossas expectativas em relação ao produto. Se, no fim das contas, o produto corresponder a essas expectativas, aí saberemos que deu [a compra] deu certo”, ressalta Flávia. 

Se o consumo é uma parte importante da sua vida – e, convenhamos, é uma parte importante da vida de todos nós nesse mundo contemporâneo –, então fazer a melhor compra possível, ainda que cara, pode te fazer mais feliz. 

Para a planejadora financeira e diretora da Planejar, Marcia Dessen, essa consciência financeira depende muito do perfil de consumo de cada um. “Tem gente que curte o ato de comprar, não importa o que esteja comprando (...) Para algumas pessoas, a consciência de que ‘menos é mais’ vem com o tempo, quando cai uma ficha enorme e a gente se dá conta de que não precisa de tanta coisa para viver, para ter conforto, para ser feliz.”

LEIA TAMBÉM: Devo, não nego. Pago quando puder e com dignidade

Consumo por felicidade também pode ser consumo consciente

Essa reflexão também pode levar a um consumo mais consciente. “Gosto de uma frase do Helio Mattar, [um dos fundadores] do Instituto Akatu, local onde já trabalhei, que reflete isso: ‘comprar alguma coisa de que você não precisa por 50% de desconto é caro demais’.” 

Em outras palavras, embora os especialistas sempre batam na tecla da racionalidade, do melhor custo-benefício, se você fizer suas escolhas de consumo também com a intenção de alimentar o seu “eu da lembrança” pode ser que esteja fazendo a melhor escolha para o seu bolso e comprando apenas aquilo de que [acha que] precisa.

Siga as notícias de Livre Iniciativa no Facebook e no LinkedIn

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.